A República de Kiribati é formada por um conjunto de 33 ilhas na parte central do oceano Pacífico. Faz parte da Oceania. A maioria das ilhas são atóis baixos ou recifes de coral que cercam uma laguna. A capital é Bairiki, no atol de Tarawa. Kiribati tem 111.000 habitantes (estimativa de 2014), e a área total das ilhas é de 811 km2.

Geografia

Kiribati compreende três grupos de ilhas — as Gilbert, as Fênix e a maior parte das ilhas da Linha —, além da ilha de Banaba. Esse território se espalha por uma extensão oceânica de aproximadamente 5 milhões de quilômetros quadrados. O clima de Kiribati é quente o ano inteiro. Nas ilhas da Linha fica Kiritimati, que é o maior atol de coral do mundo. Ele constitui quase metade da área de terra firme do país.

Flora e fauna

Os coqueiros são uma das poucas espécies de plantas que crescem em Kiribati. Árvores de fruta-pão e palmeiras chamadas pandanos desenvolvem-se apenas em algumas das ilhas. Os peixes e as aves aquáticas são a fauna natural do país. Além deles, há criações de porcos e frangos.

População

Quase toda a população de Kiribati é constituída por micronésios e vive nas ilhas Gilbert, especialmente no atol de Tarawa. Muitos falam gilbertês, mas o inglês é comum no atol de Tarawa. A maioria dos habitantes é cristã. Na maior parte de Kiribati, a população vive em cabanas, em aldeias tradicionais.

Economia

A maioria da população se dedica à agricultura e à pesca. As principais culturas são coco, taro (um tubérculo típico da região), banana, fruta-pão e mamão. Kiribati vende copra (polpa seca de coco) e peixe para outros países. Navios estrangeiros pagam ao país para pescar em suas águas. O turismo é uma atividade pouco desenvolvida.

História

Os primeiros colonizadores de Kiribati vieram do sudeste da Ásia há cerca de 4 mil ou 5 mil anos. A Grã-Bretanha conquistou as ilhas Gilbert em 1892. O Japão ocupou a região durante a Segunda Guerra Mundial. Nos anos 1960, Estados Unidos e Grã-Bretanha testaram armas nucleares em Kiritimati. Só em 1979 Kiribati conquistou sua independência da Grã-Bretanha.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.