O Reino do Lesoto é totalmente rodeado pela África do Sul. Sua capital é Maseru. A população é de 1.942.000 habitantes (estimativa de 2014) e a área é de 30.355 km2.

Geografia

Cerca de dois terços do Lesoto são cobertos por cadeias de montanhas. A oeste, há uma planície. Os rios Orange e Tugela, dois dos maiores rios da África do Sul, nascem nas montanhas Maloti, no Lesoto. O país tem verões quentes e invernos frios.

Flora e fauna

O excesso de pastagens e a erosão destruíram grande parte dos campos do Lesoto. Outras vegetações do país incluem o salgueiro, oliveiras selvagens e a babosa.

Sobraram poucos grandes mamíferos no Lesoto por causa da caça e do desmatamento. Pequenos antílopes e lebres ainda podem ser encontrados. O país também é o refúgio dos abutres-barbudos.

População

A maioria da população do Lesoto pertence ao grupo étnico soto. Um grupo menor é formado pelos zulus. O inglês e o soto são as duas principais línguas. Quase todos os habitantes são cristãos. Um pequeno número de pessoas segue crenças tradicionais. A maioria da população vive em áreas rurais.

Economia

A venda de água e eletricidade para a África do Sul constitui a parte mais importante da economia do Lesoto. O sistema do rio Orange fornece água e eletricidade. A indústria do Lesoto produz principalmente alimentos e roupas. Outros setores importantes são a construção civil, a extração de diamantes e o turismo.

Muitas pessoas do Lesoto trabalham na África do Sul ou como fazendeiros. Ovelhas e cabras fornecem e caxemira. Na agricultura, destacam-se o milho, a batata, o trigo e o feijão.

História

Durante milhares de anos, o Lesoto foi o território de caça do povo khoisan, ou boxímano. No século XIX, os khoisans passaram a dominar a região. Em 1871, o Reino Unido transformou a região em uma colônia chamada Basutolândia. O Reino do Lesoto se tornou independente em 1966. Em 2002, após anos de governos instáveis, o país teve eleições pacíficas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.