Macapá é a capital do estado do Amapá, na região Norte do Brasil. Cortada pela linha do equador, é banhada pelo Amazonas, o maior rio do mundo. Macapá fica às margens do braço norte do rio, próximo à sua foz. Nas praias da cidade, pode-se tomar banho no Amazonas e, a 30 quilômetros, fazer passeio de barco pelo rio e por seus igarapés.

Para registrar a linha do equador, existe um monumento na cidade, chamado Marco Zero, que é um ótimo local para apreciar o equinócio — o momento em que o sol incide sobre o equador em ângulo reto, nos dias 21 de março e 23 de setembro, marcando o início do outono e da primavera nos dois hemisférios. A linha do meio do campo de futebol do estádio de Macapá está exatamente sobre a linha do equador, que é o marco zero das latitudes norte e sul da Terra. O estádio é conhecido como Zerão: cada time joga um tempo da partida no hemisfério Sul, e o outro no Norte.

A cidade de Macapá originou-se da vila de São José do Macapá, fundada em 1758 pelos colonizadores portugueses, que construíram uma fortaleza no local para evitar invasões francesas. Em 1856, a vila passou a ser cidade e, em 1944, tornou-se capital do território federal do Amapá.

No final da década de 1940, começaram a ser exploradas as enormes jazidas de manganês da serra do Navio, no limite do município de Macapá. Migrantes de todo o Brasil foram para lá, em busca de trabalho; a cidade cresceu e a população aumentou bastante. A exploração do manganês é a principal atividade econômica da região, seguida da agricultura, da pecuária e da pesca.

Não existe rodovia nem ferrovia de Macapá para outros estados do Brasil: só se viaja para fora do Amapá de avião ou de navio. Localizada em plena Amazônia, a cidade tem clima quente e superúmido, como toda a região. O nome “macapá” é de origem tupi; é uma variação de “macapaba”, que significa “lugar de muitas bacabas”, uma palmeira amazônica com bons frutos.

Macapá tem 397.913 habitantes (censo de 2010).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.