Moçambique é um país situado na costa sudeste da África. Sua capital é Maputo. O país tem 25.042.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 799.380 km2.

Geografia

Moçambique divide fronteiras com a Tanzânia, o Maláui, a Zâmbia, o Zimbábue, a África do Sul e a Suazilândia. O oceano Índico fica a leste.

O rio Zambeze separa Moçambique em duas regiões, norte e sul. O sul tem principalmente planícies e algumas montanhas. O norte é montanhoso e também tem planaltos. O clima do país é quente o ano todo.

Fauna e flora

No noroeste de Moçambique florescem o pau-ferro, a palmeira e o ébano. Já no sul do país, que é uma região mais seca, a vegetação é bastante diferente, com pastos e arbustos. Coqueiros e manguezais são comuns na costa.

A fauna é rica e variada. Existem zebras, leões, hipopótamos, elefantes, crocodilos e girafas.

População

Moçambique apresenta uma mistura de povos. Os maiores grupos étnicos são: macuane, macua, tonga, sena e lomue. O português é a língua nacional, mas grande parte da população, principalmente no campo, fala as línguas nativas africanas. Metade da população segue as religiões africanas tradicionais, mas há também cristãos (católicos na maioria) e muçulmanos. A maioria dos habitantes do país vive nas zonas rurais.

Pela língua em comum, há presença marcante de expressões culturais brasileiras em Moçambique, através da música e das telenovelas, além do futebol.

Economia

A economia moçambicana ainda está em fase de organização, depois de mais de vinte anos de conflitos militares. O fumo em folhas é o principal produto exportado pelo país.

A maioria da população moçambicana vive da agricultura, muito variada. Os principais cultivos são o milho e a mandioca, mas o país produz também algodão, cana-de-açúcar, castanha-de-caju, coco e madeira. Muita gente cria bois, porcos e ovelhas.

A pesca é bem desenvolvida, e o camarão é um dos principais produtos de exportação. O país também possui recursos minerais como carvão, bauxita, ouro e pedras preciosas, além de reservas de gás natural.

Moçambique tem uma importante indústria naval. As outras indústrias são de alumínio, alimentos, tabaco, bebidas, roupas e produtos químicos. Uma barragem no rio Zambeze produz eletricidade. Um oleoduto está sendo construído para ligar o porto da capital, Maputo, a Joanesburgo, na vizinha África do Sul.

O Brasil é o nono na lista de nações que investem na economia de Moçambique, exportando para o país principalmente aviões, carne de frango, móveis, reboques, semirreboques e tratores. Muitas empresas brasileiras atuam em áreas economicamente importantes, como a exploração de carvão, de petróleo e de biocombustíveis; a indústria de cimento; construções e infraestrutura; e transferência de tecnologia na área agrícola. Na área de transmissão de energia, o Brasil também fechou acordo para o desenvolvimento de projetos.

História

Os primeiros povos que habitaram a região foram os bantos, por volta do século III. Mais tarde, os árabes fundaram cidades comerciais ao longo da costa. Em 1498, os exploradores portugueses chegaram ao país e lá se estabeleceram. Pessoas capturadas no interior eram vendidas aos navios negreiros para serem levadas como escravas para a América. Só no começo do século XX é que Portugal passou de fato a colonizar Moçambique.

Em 1964, um grupo rebelde chamado Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) começou a lutar contra o domínio português. A queda da ditadura em Portugal, em 1974, levou Moçambique à independência, em 1975. A Frelimo então assumiu o governo. Outro grupo rebelde passou a lutar contra o governo da Frelimo. Uma guerra civil cruenta se estendeu até 1992, abalando totalmente a economia do país.

Moçambique realizou suas primeiras eleições democráticas em 1994. De lá para cá, nestes anos de paz, voltou a crescer e a atrair turistas. Juntamente com o Brasil e outros sete países, Moçambique faz parte da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.