A Odisseia, do poeta grego Homero, é a segunda obra mais antiga da literatura ocidental, e também uma das mais importantes. Narra, em cantos (ou versos), a viagem fantástica de Ulisses desde Troia até a ilha de Ítaca, depois do fim da Guerra de Troia. Tão aventurosa foi essa viagem que o termo “odisseia” tornou-se sinônimo de viagem longa e difícil. Essa palavra vem de “Odisseu”, que é Ulisses em grego.

Importância da Odisseia

A Odisseia é um retrato da cultura da época, que mostra o modo de vida, a mitologia grega e os sentimentos das pessoas: amor, ódio, vingança, amizade e perdão.

É uma obra clássica, isto é, que não morre nunca, e sempre que a relemos ela tem algo novo a dizer.

A Guerra de Troia teria ocorrido por volta do século XII a.C. e a Odisseia foi criada cerca de quatrocentos anos depois, no século VIII a.C. Acredita-se que Homero era um poeta cego que percorria as cidades cantando os seus poemas. Naquele tempo, os poemas eram cantados pelo poeta e acompanhados por um músico que tocava lira ou flauta.

A história da Odisseia

A Odisseia é a continuação da Ilíada, que conta acontecimentos míticos da Guerra de Troia. A guerra só terminou graças a uma artimanha de Ulisses: o cavalo de Troia. Os guerreiros gregos se esconderam dentro de um grande cavalo de madeira. Os troianos o levaram para dentro das muralhas da cidade, considerando-o um presente dos deuses. No meio da madrugada, os guerreiros saíram do cavalo e atacaram Troia.

Os gregos venceram a guerra, mas não se contentaram com isso. Incendiaram a cidade, destruíram os templos, mataram os homens e as crianças e escravizaram as mulheres. Eneias foi um dos poucos sobreviventes que fugiu de Troia de navio e aportou no Lácio (na Itália), onde mais tarde foi fundada Roma. Essa história foi contada mais tarde por um poeta da Roma antiga chamado Virgílio, no grande poema Eneida.

Os deuses se revoltaram com a violência cometida pelos gregos e resolveram castigá-los. Muitos morreram na viagem de volta ou enfrentaram problemas graves ao chegar à sua terra.

Ulisses foi duramente castigado pelos deuses. Levou dez anos para chegar ao seu reino, em Ítaca. Os navios com seus guerreiros naufragaram; só restaram ele e alguns soldados, que enfrentaram as mais incríveis peripécias. Aportaram na ilha dos ciclopes (gigantes de um olho só), onde Ulisses feriu o filho do deus Posêidon, que se vingou neles.

Depois de uma grande tempestade, foram dar na ilha da feiticeira Circe, que transformava os homens em porcos. Ulisses conseguiu enganá-la e sair de lá vivo e com a indicação de ir ao Hades, o mundo dos mortos, a fim de perguntar ao sábio Tirésias que caminho deveria fazer para chegar à sua ilha.

A continuação da viagem foi muito longa e cheia de aventuras, imprevistos e mistérios. Com muito engenho, Ulisses conseguiu se livrar de todos as dificuldades. Ele e seus companheiros passaram pelas sereias, sem ser atraídos para o fundo do mar com seu canto, e chegaram à ilha do Sol. Os guerreiros mataram bois sagrados para comer e foram castigados, morrendo logo depois. Ulisses, que estava dormindo e não participou da matança, se salvou.

Depois de enfrentar o mar bravio e naufragar, ele conseguiu chegar à ilha de Ogígia, onde vivia a ninfa Calipso, que se apaixonou por ele e o tornou prisioneiro. Só depois de sete anos, com a interferência dos deuses, Ulisses conseguiu partir. Finalmente, aportou na ilha dos feácios, que o ajudaram a chegar a Ítaca.

A guerra de Troia durou dez anos e a viagem de Ulisses, mais dez. Durante esse tempo, Penélope, a mulher de Ulisses, ficou esperando a volta do marido. Todos o consideravam morto, menos ela e seu filho Telêmaco.

Penélope era assediada por um grupo de pretendentes, que queriam se casar com ela e se apossar do trono. Para despistá-los, ela disse que só se casaria de novo quando o manto que estava tecendo para o sogro ficasse pronto. Mas o que ela tecia de dia desmanchava à noite, de modo que o trabalho nunca terminava.

Quando Ulisses chegou a Ítaca, com a ajuda de Telêmaco, de empregados fiéis e principalmente da deusa Atena, lutou contra todos os pretendentes e os venceu. Ulisses, um dos maiores guerreiros gregos e herói da Guerra de Troia, voltou a reinar em sua ilha.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.