Pelé é um ex-jogador de futebol brasileiro, considerado o melhor jogador de todos os tempos. Embora não atue mais profissionalmente, ele ainda é admirado por pessoas dos mais diferentes países e é apontado como o rei do futebol. Pelé tornou famosa a camisa 10, pois foi com ela que jogou durante quase toda a carreira.

Sua habilidade com a bola, sua ginga para dar dribles desconcertantes e sua criatividade para inventar jogadas que levavam ao gol o tornaram um dos mais importantes representantes do chamado futebol arte. Durante sua carreira, Pelé marcou 1.281 gols em 1.363 partidas oficiais. O milésimo gol foi marcado em uma partida de seu time, o Santos, contra o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, em 1969, no Estádio do Maracanã.

Pelé foi eleito o atleta do século em 1981 por jornalistas de vários países. Em 2000, a FIFA (Federação Internacional de Futebol) deu a ele o prêmio de Melhor Jogador do Século XX (título dividido com o argentino Diego Maradona).

Infância e adolescência

Edson Arantes do Nascimento é o nome de Pelé. Ele nasceu no dia 23 de outubro de 1940, na cidade de Três Corações, no interior do estado de Minas Gerais.

Aprendeu a jogar futebol com seu pai, que também foi jogador. Quando era garoto, Pelé faltava à aula para bater bola. Acabou saindo da escola e, aos 11 anos, começou a receber treinamento profissional. Aos 17, ganhou sua primeira Copa do Mundo, em 1958.

Trajetória profissional

Pelé foi jogador do Santos Futebol Clube (da cidade de Santos, no estado de São Paulo) de 1956 a 1974. Ele levou o time a muitas conquistas.

Pelé detém vários títulos, entre eles o de recordista de gols em um único campeonato, já que colocou a bola na rede 58 vezes (em 38 partidas) durante o Campeonato Paulista de 1958. É também o único jogador a conquistar três Copas do Mundo (1958, 1962 e 1970). Ele também jogou na Copa de 1966, na qual o Brasil não levou o título. Na década de 1960, jogando pelo Santos, foi bicampeão mundial interclubes, venceu a Taça Brasil (campeonato brasileiro da época) por cinco anos seguidos e, entre 1960 e 1969, foi campeão paulista oito vezes.

Em 1974, Pelé deixou o Santos para jogar no New York Cosmos, nos Estados Unidos. Muitos brasileiros se manifestaram e pediram que ele não fosse embora, mas Pelé aceitou o convite e, em 1977, levou o Cosmos à conquista do campeonato americano.

Fora de campo

Em 1977, Pelé parou de jogar futebol profissionalmente e passou a se dedicar a atividades sociais. Desde então, participa de campanhas de solidariedade e atua como representante do esporte brasileiro em inúmeros eventos.

Foi nomeado embaixador da ONU para a Ecologia e o Meio Ambiente em 1992 e embaixador da Boa Vontade da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) em 1994.

Entre 1995 e 1998, Pelé foi ministro dos Esportes no governo de Fernando Henrique Cardoso. Nesse período, criou a Lei Pelé, que terminou com a Lei do Passe e deu aos jogadores de futebol brasileiros o direito de definir em que time querem jogar, respeitando apenas o contrato firmado entre eles e o time. Antes dessa lei, o clube detinha o passe do jogador e decidia se ele podia jogar em outro time ou não.

Pelé se casou duas vezes e teve sete filhos. Um deles, Edinho, foi goleiro do Santos. Longe dos campos, Pelé gravou discos e participou de vários filmes, além de ser disputado para campanhas publicitárias de muitas empresas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.