A Primeira Guerra Mundial se estendeu de 1914 até 1918. A princípio foi chamada de “Grande Guerra” e “Guerra para Acabar com Todas as Guerras”; depois, ficou conhecida como “Guerra das Guerras”. Foi o maior confronto até então testemunhado pelo mundo. A maioria das batalhas ocorreu na Europa e no Oriente Médio, na Ásia. Mais de 8 milhões de soldados e marinheiros morreram, e mais de 20 milhões ficaram feridos. A guerra foi tão violenta que muitos achavam que jamais alguém iria querer iniciar outro conflito dessa magnitude. Os resultados da Primeira Guerra Mundial, porém, ajudaram a causar a Segunda Guerra Mundial, que irrompeu apenas 21 anos depois, em 1939.

Início da guerra

Um assassinato na cidade de Sarajevo foi o estopim da guerra. Sarajevo era a capital da Bósnia, uma região do Império Austro-Húngaro. Em 28 de junho de 1914, um bósnio leal à Sérvia matou a tiros o arquiduque Francisco Ferdinando, sobrinho do imperador austro-húngaro. O Império Austro-Húngaro acusou funcionários do governo sérvio de planejarem o crime.

Em 28 de julho, a Áustria-Hungria declarou guerra à Sérvia e pediu ajuda a seus aliados, a Alemanha e a Itália. Assim foi formado o grupo da Tríplice Aliança. A Sérvia era um país pequeno protegido pela Rússia, a qual tinha laços de amizade com a França e o Reino Unido (Grã-Bretanha). Seu grupo era chamado de Tríplice Entente.

Em questão de poucas semanas, a maioria dos países da Europa estava em guerra. Pouco tempo depois os dois lados assumiram novos nomes. A Tríplice Aliança passou a ser conhecida como “os Impérios Centrais” e a Tríplice Entente adotou a denominação de “Aliados”. A princípio, a Itália não entrou na guerra.

A Frente Ocidental

Os campos de batalha a oeste da Alemanha eram chamados de Frente Ocidental. Os alemães contavam com uma vitória fácil na Frente Ocidental, mas, em setembro de 1914, os Aliados fizeram os alemães recuar na batalha do Marne, um rio da França.

Os exércitos da Frente Ocidental então iniciaram uma guerra de trincheiras que durou quatro anos. Cada lado cavou longas trincheiras no solo, nas quais os soldados permaneciam tentando se proteger. Uma “terra de ninguém” coberta de arame farpado, ficava entre as trincheiras. Ambos os lados usavam metralhadoras de disparos rápidos contra qualquer um que tentasse atravessar a terra de ninguém.

Duas das piores batalhas da guerra aconteceram na Frente Ocidental em 1916. A batalha do Somme ocorreu perto do rio de mesmo nome, na França, de julho até novembro. Mais de 600 mil soldados dos Aliados foram mortos, feridos ou capturados – ou desapareceram. Eles conseguiram um avanço de terreno de apenas 8 quilômetros. Os franceses e os alemães se enfrentaram em outra longa batalha perto da cidade francesa de Verdun.

Ambos os lados tentavam novas maneiras de se infiltrar nas defesas de trincheiras. Os alemães usaram um gás tóxico chamado cloro contra tropas dos Aliados em abril de 1915. Depois, os dois lados experimentaram outras armas químicas; para se proteger contra elas, os soldados passaram a usar máscaras contra gases. Os britânicos inventaram um veículo blindado chamado tanque. Os tanques contavam com esteiras rastejantes para passar por trincheiras e arame farpado. Os britânicos usaram tanques pela primeira vez em 1916.

A Frente Oriental e o Oriente Médio

Campos de batalha a leste da Alemanha compunham a Frente Oriental, onde os exércitos se moviam com mais rapidez. Em 1914, exércitos russos vieram pelo oeste até a Alemanha e a Áustria-Hungria. Em 1915, os alemães os repeliram. A Bulgária então aderiu aos Impérios Centrais. Tropas da Alemanha, da Áustria e da Bulgária ocuparam a Sérvia. Uma força dos Aliados desembarcou em Salônica (atual Tessalônica), na Grécia, para ajudar os sérvios. No entanto, os Aliados fizeram pouco progresso até o final da guerra.

No final de 1914, o Império Otomano (centrado na atual Turquia) aderiu aos Impérios Centrais. Os otomanos atacaram a Rússia. Tropas britânicas, australianas e neozelandesas tentaram deter os otomanos na península turca de Galípoli, mas fracassaram.

Em 1915, a Itália aderiu aos Aliados e perdeu muitos soldados em combates com os austríacos.

Quando a guerra começou, o Império Otomano dominava a Síria, a Palestina e a Mesopotâmia (atual Iraque). Em 1915, tropas lideradas por britânicos tentaram em vão tomar Bagdá (atual capital do Iraque), mas finalmente tiveram êxito em março de 1917. Posteriormente, nesse mesmo ano, os britânicos tomaram a Palestina, e, em 1918, ocuparam a Síria.

A guerra naval

Como tinha navios de guerra melhores e em maior número do que os alemães, a marinha britânica conseguia impedir alguns navios de chegar a portos alemães, em uma ação denominada bloqueio naval.

Os britânicos, porém, não conseguiam deter os submarinos alemães. Em 1915, os alemães anunciaram que tentariam afundar todos os navios inimigos em águas britânicas. Em 7 de maio de 1915, um submarino alemão abateu o navio britânico de passageiros Lusitânia. Quase 1.200 pessoas morreram, entre elas muitos cidadãos americanos.

Os ataques submarinos debilitaram o Reino Unido. Em abril de 1917, um em cada quatro navios de abastecimento que partiram do país jamais retornou. No final desse mês, o país tinha um suprimento de grãos suficiente para apenas seis semanas.

Os Aliados tentaram defender seus navios de abastecimento dotando-os de armamentos e despachando-os em comboios, ou grupos, escoltados por navios de guerra. No total, submarinos alemães causaram a perda de cerca de 6 mil navios dos Aliados. Só o Reino Unido perdeu 13 mil vidas nesses ataques.

A guerra aérea

O avião fora inventado apenas uma década antes do início da guerra. A princípio, a Alemanha usava mais aeróstatos dirigíveis chamados zepelins do que aviões para bombardear o Reino Unido. Então os britânicos construíram armas antiaéreas para derrubar os zepelins.

Durante o conflito, os dois lados construíram vários tipos de aviões de guerra. Os caças tinham metralhadoras que disparavam em outros aviões. Em 1917, os alemães começaram a lançar bombas a partir dos aviões. Esses bombardeios mataram cerca de 1.300 pessoas e feriram aproximadamente 3 mil no Reino Unido.

Eventos de 1917

A Revolução Russa, em 1917, mudou a Frente Oriental. Socialistas radicais chamados bolcheviques tomaram o poder na Rússia em novembro e, quase que imediatamente, estabeleceram a paz com os Impérios Centrais. Com isso, os alemães conseguiram movimentar suas tropas para outros lugares.

Nesse ínterim, os Estados Unidos entraram na guerra ao lado dos Aliados. Inicialmente, o presidente Woodrow Wilson rejeitava essa ideia, mas mudou de opinião porque a Alemanha continuava atacando os navios de abastecimento americanos. O país também descobriu que a Alemanha havia prometido dar os estados do Texas, do Novo México e do Arizona ao México, em troca da ajuda mexicana na guerra. Os Estados Unidos declararam guerra à Alemanha em 6 de abril de 1917.

A virada da maré

Durante o inverno de 1917-1918, havia mais soldados alemães do que tropas aliadas na Frente Ocidental. Em 1918, a situação mudou, com o desembarque diário de quase 10 mil soldados americanos na França. Os alemães realizaram vários ataques contra os britânicos e franceses para enfraquecê-los antes que os americanos chegaram com força. Os alemães tiveram algum sucesso na segunda batalha do Somme. No entanto, as tropas alemãs estavam desgastadas. Após a segunda batalha do Marne, em julho de 1918, os Aliados tinham tomado o controle da guerra. Em novembro, os Aliados haviam feito os alemães retroceder às linhas de batalha de 1914.

Os Impérios Centrais começaram a se render. Os búlgaros cederam em 29 de setembro de 1918. Em 30 de outubro, os austríacos pediram o cessar-fogo, ou seja, a interrupção das hostilidades. Nesse mesmo dia, os otomanos se renderam.

A essa altura, o povo alemão passava fome, pois o bloqueio naval impedia a chegada de suprimentos alimentares ao país. Em 11 de novembro de 1918, líderes do governo alemão assinaram o armistício — um acordo que punha fim ao conflito.

A paz

Em um encontro realizado em janeiro de 1919, os Aliados elaboraram um documento chamado Tratado de Paz. O tratado impôs grandes punições à Alemanha, como a redução radical do exército e da marinha, bem, como o pagamento de uma grande indenização para os Aliados. Além disso, o tratado fundou a Liga das Nações, uma organização destinada a evitar futuras guerras.

A Alemanha e representantes dos Aliados assinaram o Tratado de Versalhes, na cidade francesa homônima, em 28 de junho de 1919. Tratados separados estabeleceram a paz com a Áustria, a Bulgária e o Império Otomano. No entanto, o Senado americano se recusou a aprovar o Tratado de Versalhes. Alguns senadores eram contra o tratado, pois desaprovavam a Liga das Nações.

Os sonhos de paz dos Aliados não duraram muito tempo. O povo alemão não gostou de ser humilhado e levou Adolf Hitler ao poder em 1933. Ele montou uma grande força militar alemã, sem que a Liga das Nações conseguisse impedi-lo. As atitudes desse líder extremista levaram à Segunda Guerra Mundial.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.