A República Centro-Africana é um país situado no coração da África. Sua capital é Bangui. O país tem 4.803.000 habitantes (estimativa de 2015) e área de 622.436 km2.

A República Centro-Africana é rodeada pelo Chade, pelo Sudão, pelo Sudão do Sul, pela República Democrática do Congo, pela República do Congo e pela República dos Camarões. A maior parte do país ocupa um platô (área plana elevada). No norte e no oeste erguem-se montanhas. O clima é tropical, com estações chuvosas e secas todos os anos.

Grande parte do norte é coberta de savanas ou campos com árvores esparsas. Ali vivem antílopes, babuínos, búfalos, elefantes e rinocerontes-negros. As densas florestas equatoriais do sul abrigam gorilas, chimpanzés, leopardos e bongos (antílopes listrados). Crocodilos e hipopótamos vivem nos rios.

Os principais grupos étnicos da República Centro-Africana são os gbaias, os bandas e os mandingas. Há também grupos de pigmeus. O sango é a língua mais falada. Tanto o sango como o francês são línguas oficiais. A maior parte da população vive no sul e no oeste. Muitas pessoas seguem o cristianismo, embora várias pratiquem religiões africanas tradicionais ou a muçulmana.

A principal atividade econômica é a agricultura. Entre as culturas estão as da mandioca, do inhame, do amendoim, da banana e do milho. O país também produz madeira, diamantes, ouro, algodão e café para exportação.

Muitos povos habitaram a região por milhares de anos antes da chegada dos europeus. Os franceses conseguiram o domínio da área no século XIX. Em 1906, a França anexou a região ao Chade para formar uma colônia chamada Ubangui-Chari-Chade. Em 1910, a colônia tornou-se parte de um território maior, chamado África Equatorial Francesa.

Em 1960, a República Centro-Africana declarou sua independência. Ditadores e militares autoritários governaram o país até 1993, quando foram realizadas as primeiras eleições democráticas. Todavia, os distúrbios políticos continuaram no século XXI.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.