Localizada na África central, a República Democrática do Congo é o terceiro maior país do continente. Sua capital e maior cidade é Kinshasa. A população do país é de 69.360.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua superfície é de 2.345.410 km2.

Geografia

A República Democrática do Congo é atravessada pela linha do equador. Seu território faz fronteira com República Centro-Africana, Sudão do Sul, Uganda, Ruanda, Burundi, Tanzânia, Zâmbia, Angola e República do Congo. No extremo oeste do país está o seu acesso ao mar: uma pequena faixa litorânea junto ao oceano Atlântico.

O rio Congo corre através do país e ao longo da fronteira oeste. Em volta dele, há planícies que terminam em altos platôs. Três cadeias de montanhas atravessam o leste da República Democrática do Congo, cujo ponto mais alto é o pico Margherita, com 5.119 metros de altura. O clima da maior parte do país é quente e úmido.

Flora e fauna

Na bacia do rio Congo se encontram florestas tropicais com diversas espécies de árvores, entre as quais o mogno e o ébano. Junto à costa, há pântanos tomados por manguezais. Já os planaltos a leste são cobertos por pastagens.

Entre os muitos animais selvagens que habitam o país estão chimpanzés, macacos, elefantes, leões, guepardos, hienas, búfalos, antílopes, rinocerontes e girafas. As montanhas do leste são habitadas por gorilas, enquanto nos rios e lagos encontram-se hipopótamos e crocodilos.

População

O povo da República Democrática do Congo é composto por muitos grupos étnicos — os principais são os lubas, os congos e os mongos. Os idiomas oficiais são o francês e o inglês, mas muitas pessoas falam lingala ou uma das outras duzentas línguas do país. A maioria da população pratica o cristianismo. Os demais habitantes seguem as crenças tradicionais africanas ou outras religiões, como o islamismo. Mais de dois terços da população do país vivem em vilarejos e aldeias.

Economia

A maior parte do povo se dedica à agricultura. Entre as principais culturas estão mandioca, cana-de-açúcar, banana-de-são-tomé, milho, azeite de dendê, amendoim e arroz. O país também produz café, algodão e borracha.

A segunda atividade econômica mais importante é o comércio, que depende dos ricos recursos naturais do país. A República Democrática do Congo é um dos principais produtores de diamantes no mundo. Seu território também possui reservas de petróleo, carvão, cobre, cobalto, zinco e ouro.

História

Antes da chegada dos europeus no final do século XIX, a região da atual República Democrática do Congo se dividia entre vários reinos. Os principais eram o Império Luba, o Reino do Congo e o Império Lunda.

Em 1885, o rei Leopoldo II da Bélgica conquistou a região e nomeou-a Estado Livre do Congo. Ele obrigou o povo a trabalhar nas minas e nas plantações de borracha. Em 1908, o Parlamento belga assumiu o poder sobre a colônia e mudou o nome do território para Congo Belga.

Os africanos só puderam participar do sistema político da colônia em 1957. A partir de então, começaram a trabalhar pela independência de seu país. Um dos primeiros partidos políticos africanos no Congo foi a Aliança dos Bakongo, liderado por Joseph Kasavubu. Em 1958, se formou um movimento nacional congolês com o objetivo de alcançar a liberdade.

Em junho de 1960, a colônia conquistou a independência e passou a ser a República do Congo. Kasavubu foi o presidente e Patrice Lumumba foi o primeiro-ministro. Desde o início os dois enfrentaram-se pelo poder. Porém, em setembro de 1960 o chefe do exército, Joseph Mobutu, tomou o comando pela força. Em 1971, ele mudou o nome do país para República do Zaire.

Mobutu governou como ditador, esmagando qualquer oposição. Na década de 1990, porém, grupos políticos do Zaire lutaram pela democracia e, em 1997, os rebeldes conseguiram expulsar Mobutu. Laurent Kabila assumiu o poder e mudou o nome do país mais uma vez, de Zaire para República Democrática do Congo. Todavia, muitos rebeldes continuaram a combater o governo, e Kabila foi assassinado em 2001. Seu filho e sucessor, Joseph Kabila, trabalhou para conter a guerra civil que matou milhões de pessoas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.