A República Tcheca é uma nação da Europa central que resultou da divisão da Tchecoslováquia, em 1993. O país é conhecido por suas lindas cidades, pela dança chamada polca e pela arquitetura de sua capital, Praga, cheia de prédios históricos. A República Tcheca tem 10.526.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 78.865 km2.

Geografia

A República Tcheca faz fronteira com a Eslováquia, a Áustria, a Alemanha e a Polônia. Cadeias de montanhas baixas circundam o país. No sudoeste está a grande floresta Boêmia. O principal rio do país é o Elba, que corre em direção à Alemanha. A maior parte da Repúlica Tcheca tem clima moderado, com temperaturas amenas no inverno. A neve e a chuva são mais fortes nas montanhas.

Flora e fauna

Abetos e píceas são árvores comuns nas florestas de altitudes elevadas. Carvalhos, freixos e bordos crescem nas altitudes médias, mas a poluição proveniente do uso do carvão prejudicou seriamente essas áreas florestais. Entre os animais há javalis selvagens, ursos-pardos, marmotas, lontras, martas e cervos.

População

Os tchecos representam cerca de 90 por cento da população. Os morávios formam o maior grupo minoritário. Outros grupos étnicos que vivem no país são os de eslovacos, poloneses, alemães e ciganos. A língua oficial é o tcheco, idioma eslavo muito próximo ao eslovaco e ao polonês. Cerca de 40 por cento da população é católica. Muitas pessoas não professam nenhuma religião. Aproximadamente 75 por cento da população vive nas áreas urbanas.

Economia

A indústria é o setor mais importante da economia tcheca. As fábricas produzem máquinas, produtos químicos e alimentares, metais, carros, computadores e outros bens. O país tem recursos limitados de minerais, carvão, petróleo e gás natural. Muitas das matérias-primas necessárias para as fábricas precisam ser importadas.

Comércio, turismo, bancos e outros serviços também são importantes para a economia. Na agricultura, os principais produtos são trigo, cevada, milho, beterraba e batata.

História

Os alemães, os celtas e os ávaros estavam entre os primeiros povos da Morávia e da Boêmia, as duas principais províncias da República Tcheca. Os eslavos, ancestrais dos tchecos, chegaram entre os séculos VI e VIII. Em meados do século IX, os morávios haviam formado um reino, que cresceu e se tornou a Grande Morávia, incluindo parte da Polônia, toda a Boêmia e um pedaço da Hungria.

O declínio da Morávia, no início do século X, levou à ascensão da Boêmia. Em 1029, a Morávia tornou-se parte do reino da Boêmia. Em 1526, Boêmia e Morávia ficaram sob o domínio da dinastia austríaca dos Habsburgos. A Áustria e, mais tarde, o Império Austro-Húngaro exerceram o controle sobre a Boêmia e a Morávia até depois da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Quando o Império Austro-Húngaro ruiu, em 1918, a Boêmia, a Morávia e a vizinha Eslováquia se uniram para formar a república independente da Tchecoslováquia. Em 1948, os comunistas tomaram o poder. Só quarenta anos depois, por meio de um movimento popular conhecido como Revolução de Veludo, o país alcançou a libertação do domínio soviético. O dramaturgo e poeta Václav Havel foi eleito presidente da Tchecoslováquia após a queda do comunismo, em 1989.

Em 1° de janeiro de 1993, a Tchecoslováquia dividiu-se pacificamente em dois países: República Tcheca e Eslováquia. Havel tornou-se o primeiro presidente da República Tcheca. O país ingressou na União Europeia em 2004.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.