O Saara é o maior deserto da Terra, com uma área de cerca de 8.600.000 quilômetros quadrados. Localizado no norte da África, ocupa pelo menos parte de dez países — Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Mauritânia, Mali, Níger, Chade e Sudão —, além do território do Saara Ocidental.

No verão, o Saara é a região mais quente do mundo durante o dia. Temperaturas acima de 49°C são comuns. Ao anoitecer, o ar torna-se bem mais frio, podendo chegar a 0°C no inverno. Chuvas são muito raras, mas, quando ocorrem, muitas vezes vêm como fortes tempestades.

Características

Grande parte da superfície do Saara é rochosa. Há planícies, áreas mais altas chamadas platôs e algumas montanhas. A areia cobre apenas cerca de um quarto do deserto. Ela se acumula em alguns pontos formando dunas altas.

O Nilo e o Níger cortam as beiradas do Saara, onde inexistem outros rios correndo o ano inteiro. Leitos secos de cursos de água, chamados wadis ou uádis, só se enchem de água quando chove.

Certos trechos, que têm água subterrânea e vegetação, são chamados oásis. A água vem para a superfície através de aberturas denominadas mananciais. Os habitantes do deserto também cavam poços para extrair água do solo.

Flora e fauna

Muitas plantas e animais do Saara dependem da água encontrada nos oásis. Arbustos, gramíneas resistentes e palmeiras predominam na flora da região. Oliveiras, ciprestes e acácias crescem nos planaltos. A fauna saariana abrange esquilos, ouriços, gazelas, babuínos, hienas e raposas. Escorpiões e cobras são comuns.

População

Alguns povos do Saara, como os tuaregues e os beduínos, são nômades. Eles criam camelos, ovelhas e cabras e vagam pelo deserto atrás de pastagens para seus animais. Hoje, porém, a maioria dos saarianos se estabelece em um só lugar, principalmente perto dos oásis. Eles cultivam frutas, sobretudo tâmaras, e cereais como painço, cevada e trigo. As aldeias localizadas em oásis são um ponto de comércio e troca de peles de animais, lã, frutas e sal entre os habitantes do deserto.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.