A Segunda Guerra Mundial teve início em 1939. Ao terminar, em 1945, envolvera todas as regiões do mundo. De um lado, os países que ficaram conhecidos como potências do Eixo; do outro, os que formaram o bloco dos Aliados. Alemanha, Itália e Japão eram as grandes potências do Eixo. Os principais Aliados eram os Estados Unidos, a União Soviética, o Reino Unido (Grã-Bretanha) e a França. A China e o Brasil também ajudaram os Aliados.

Mais pessoas morreram na Segunda Guerra Mundial do que em qualquer outro grande conflito. Especialistas estimam que entre 40 milhões e 50 milhões de pessoas perderam a vida. Muitos eram civis (pessoas que não combatiam na guerra). Cerca de 6 milhões foram vítimas do Holocausto — o extermínio, pelas tropas alemãs, de pessoas julgadas inferiores, principalmente judeus e ciganos.

Eventos que levaram à guerra

O Japão, a Itália e a Alemanha realizaram ações belicosas na década de 1930. Em 1931, o Japão começou a invadir a China. A Itália, liderada pelo Partido Fascista, de Benito Mussolini, invadiu a Etiópia, um país do leste da África, em 1935.

A Alemanha era a maior ameaça à paz mundial. Adolf Hitler e seu Partido Nacional-Socialista, ou Nazista, queriam dominar todos os outros povos. Em março de 1938, tropas alemãs invadiram a Áustria.

Depois, Hitler quis dominar uma parte da Tchecoslováquia habitada por pessoas de língua alemã, ambição que contou com a concordância da Grã-Bretanha e da França. Essas nações esperavam satisfazer Hitler para que ele parasse de fazer mais exigências, mas seu plano de apaziguamento foi um fracasso. Em seis meses, a Alemanha tomou posse da Tchecoslováquia inteira.

Hitler resolveu então dominar a Polônia. A Grã-Bretanha e a França prometeram ajudar a Polônia caso esta fosse atacada pela Alemanha. A Alemanha se preparou para a guerra estabelecendo um acordo de paz com a União Soviética (que ainda não estava do lado dos Aliados) em agosto de 1939. A Alemanha não queria enfrentar a Grã-Bretanha, a França e a União Soviética ao mesmo tempo.

Início da guerra

Polônia

Em 1° de setembro de 1939, a Alemanha invadiu a Polônia. Os alemães usaram um novo tipo de ataque chamado Blitzkrieg, ou “guerra-relâmpago”. A Blitzkrieg se baseava em tanques e aviões de guerra velozes que atacavam o inimigo de surpresa, levando-o a se render.

Após essa invasão, a Grã-Bretanha e a França declararam guerra à Alemanha. Era o início da Segunda Guerra Mundial. Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Índia e África do Sul juntaram-se à Grã-Bretanha, ao lado dos Aliados. Mas ninguém pôde ajudar quando a União Soviética atacou a Polônia em 17 de setembro. A Alemanha e a União Soviética dividiram a Polônia entre si. A União Soviética também invadiu a Letônia, a Lituânia, a Estônia e a Finlândia durante 1939.

Escandinávia e Países Baixos

Entre abril e junho de 1940, os alemães ocuparam a Noruega e a Dinamarca. Em maio, eles invadiram a Bélgica, os Países Baixos e Luxemburgo.

França

Em meados de maio de 1940, as primeiras tropas alemãs entraram na França. Em 14 de junho, os alemães ocuparam Paris, a capital francesa.

Em 22 de junho, a França rendeu-se ao domínio alemão na maior parte de seu território. Muitos franceses, porém, mantiveram ações de resistência contra os alemães. Organizados sob a denominação de Forças Francesas Livres, recebiam ordens de Charles de Gaulle, cujo quartel-general tinha sido montado na Grã-Bretanha.

Enquanto a França era subjugada pelos alemães, a Itália declarou guerra contra a França e a Grã-Bretanha. Em 10 de junho de 1940, a Itália entrou na guerra como uma potência do Eixo.

Grã-Bretanha

O alvo seguinte de Hitler era a ilha da Grã-Bretanha. A partir de junho de 1940, aviões de guerra alemães passaram a bombardear a Grã-Bretanha. No entanto, os britânicos tinham uma nova invenção chamada radar, que alertava a população quando aviões alemães se aproximavam. Caças britânicos abateram muitos aviões inimigos. Esse combate, chamado de Batalha da Inglaterra, foi o primeiro do mundo a ser realizado no ar.

Não demorou para que os alemães desistissem de invadir a Grã-Bretanha. Mas eles continuaram lançando mais bombas sobre Londres e outras cidades britânicas até maio de 1941.

Oceano Atlântico

Os britânicos também combatiam a marinha alemã. No início da guerra, os alemães tinham afundado muitos navios de abastecimento que entregavam alimentos e armas procedentes da América do Norte. Em 1943, os Aliados começaram a usar porta-aviões para proteger comboios de navios de abastecimento. Com isso, aumentou o número de navios de abastecimento que chegavam à Grã-Bretanha.

Norte da África

No outono de 1940, os italianos invadiram o Egito. Sua meta era controlar o Canal de Suez, que liga o mar Mediterrâneo ao mar Vermelho e ao oceano Índico. Os britânicos, porém, rechaçaram os italianos.

Então, o general alemão Erwin Rommel conseguiu algumas vitórias no norte da África. Em 1942, forças britânicas finalmente detiveram Rommel em duas batalhas em El-Alamein, no Egito. Em 6 de novembro, os britânicos expulsaram os alemães do Egito.

União Soviética

Após conquistar os países que faziam fronteira com a Alemanha, Hitler invadiu a União Soviética. O ataque teve início em 22 de junho de 1941. Logo em seguida, a União Soviética aderiu aos Aliados. Os soviéticos detiveram os alemães nas proximidades de Moscou (a capital soviética) e de Leningrado (atual São Petersburgo).

Em 1942, Hitler decidiu tomar a cidade soviética de Stalingrado (atual Volgogrado). O combate em Stalingrado foi, isoladamente, a maior batalha da Segunda Guerra Mundial. Cerca de 1,9 milhão de soldados dos dois lados morreram. Os alemães se renderam em janeiro de 1943. Após Stalingrado, os soviéticos rechaçaram gradualmente os alemães.

Início da guerra com o Japão

A Grã-Bretanha, a França e os Países Baixos tinham possessões em muitas ilhas no oceano Pacífico e dominavam grande parte do sudeste asiático. Como estavam em guerra, o Japão viu uma oportunidade de se apoderar das colônias desses países. Para fazer isso, começou tomando a Indochina Francesa (atuais Laos, Camboja e Vietnã) em 1940-1941.

Pearl Harbor

Na manhã de 7 de dezembro de 1941, aviões de guerra japoneses atacaram navios de guerra americanos na base naval de Pearl Harbor, no Havaí. A força japonesa afundou ou inutilizou oito grandes belonaves, destruiu mais de 180 aviões e matou mais de 2 mil americanos.

O ataque a Pearl Harbor fez os Estados Unidos entrarem no conflito. Dentro de poucos dias, o país declarou guerra ao Japão, à Alemanha e à Itália.

Filipinas

O Japão também bombardeou o arquipélago das Filipinas, que pertencia aos Estados Unidos. Forças americanas e filipinas lutaram até ser derrotadas pelos japoneses. As Filipinas se renderam em maio de 1942. O Japão também conquistou Cingapura, as Índias Holandesas (atual Indonésia) e a Birmânia (atual Mianmar).

Mar de Coral e Midway

As batalhas no mar de Coral e nas ilhas Midway detiveram o avanço japonês. No mar de Coral, perto da Austrália, os Aliados interceptaram um ataque japonês à ilha da Nova Guiné em maio de 1942. Em junho, perto de uma das ilhas Midway, no norte do oceano Pacífico, aviões americanos destruíram muitos navios do Japão. No entanto, o Japão ainda controlava uma vasta área.

Fim da guerra com a Alemanha

Norte da África e Itália

Em novembro de 1942, forças aliadas desembarcaram no Marrocos e na Argélia, no norte da África. Em maio de 1943, elas derrotaram as tropas alemãs e italianas.

Dando continuidade a seus êxitos no norte da África, os Aliados invadiram a Itália. Logo em seguida, causaram a queda de Mussolini. A Itália se rendeu em setembro de 1943. No entanto, tropas alemãs ainda ocupavam a maior parte do país. Os Aliados tomaram Roma, a capital italiana, em 4 de junho de 1944.

Dia D e Batalha do Bolsão de Colmar

O dia 6 de junho de 1944 é conhecido como o Dia D. Nessa data, 156 mil soldados americanos, britânicos e canadenses desembarcaram nas praias da Normandia, no norte da França. Após combates ferozes, os exércitos dos Aliados seguiram para o interior, libertando Paris em 25 de agosto.

Em seguida, os Aliados se dirigiram para a Alemanha. Para deter esse avanço, os alemães fizeram um último ataque contra os Aliados em dezembro de 1944, sendo porém derrotados no confronto chamado de Batalha do Bolsão de Colmar, em fevereiro. Em março de 1945, os Aliados entraram rapidamente no oeste da Alemanha.

Rendições alemãs

Em fevereiro de 1945, ficou claro que a Alemanha perderia a guerra. Os líderes dos Aliados — o presidente americano Franklin D. Roosevelt, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill e o dirigente soviético Josef Stálin — se reuniram em Ialta (na atual Ucrânia) e traçaram planos para a Europa do pós-guerra.

Nesse ínterim, tropas soviéticas entraram na Alemanha pelo leste. Em 25 de abril, os soviéticos haviam cercado Berlim, a capital alemã. Hitler suicidou-se em 30 de abril. A Alemanha capitulou por completo à meia-noite de 8 de maio de 1945.

Fim da guerra com o Japão

Operações de guerra nas ilhas

No oceano Pacífico, tropas americanas capturaram ilha após ilha dos japoneses. Em fevereiro de 1943, após seis meses de guerra na selva, forças americanas expulsaram os japoneses de Guadalcanal, uma das Ilhas Salomão. Os Estados Unidos tomaram Saipan, nas ilhas Marianas, em julho de 1944, de onde aviões americanos começaram a bombardear o Japão.

Em outubro de 1944, soldados liderados pelo general americano Douglas MacArthur desembarcaram nas Filipinas. Forças americanas tomaram Manila, a capital filipina, em março de 1945.

Tropas americanas desembarcaram em Iwo Jima em fevereiro de 1945 e em Okinawa em abril de 1945. Essas duas ilhas pertenciam ao Japão. Durante a luta por Okinawa, pilotos japoneses fizeram ataques camicases — lançaram de propósito seus aviões de forma suicida em cima de navios americanos. Por fim, forças americanas capturaram ambas as ilhas.

Hiroxima e Nagasáqui

Em 1945, cientistas dos Estados Unidos inventaram a bomba atômica, uma arma extremamente potente e letal. Em 6 de agosto de 1945, um avião americano lançou uma bomba atômica sobre Hiroxima, no Japão. Mais de 70 mil pessoas morreram devido à explosão e aos incêndios que a sucederam. Em 9 de agosto, outro avião americano jogou uma bomba atômica na cidade de Nagasáqui. O Japão se rendeu em 2 de setembro de 1945, o que pôs fim à guerra.

Resultados da guerra

Com o fim da guerra, os Aliados dividiram a Alemanha entre si e puniram líderes nazistas após levá-los a julgamento em Nuremberg, na Alemanha. Eles também puniram Tojo Hideki, primeiro-ministro do Japão no período da guerra.

No pós-guerra, os Estados Unidos e a União Soviética eram os países mais poderosos do mundo. Apesar de terem sido Aliados, os dois países logo iniciaram um longo conflito chamado de Guerra Fria, caracterizado por políticas de hostilidade e intensas atividades de espionagem de ambas as partes, um relacionamento minado pela desconfiança de lado a lado.

Participação do Brasil

Dizia-se, no Brasil, que era “mais fácil a cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra”. Navios mercantes brasileiros estavam sendo atacados por alemães e italianos, mas o governo ditatorial de Getúlio Vargas tinha, a princípio, simpatia pelo fascismo italiano.

Em 1942, no entanto, além da pressão popular houve pressões diplomáticas e o Brasil decidiu-se a entrar no conflito ao lado dos Aliados. Declarou guerra à Alemanha e à Itália no dia 22 de agosto de 1942. Foram instaladas algumas bases aeronavais americanas na costa brasileira, que ficaram conhecidas como “Trampolim da Vitória”. Elas funcionaram como apoio para as tropas anglo-americanas que combatiam no oceano Atlântico e que desembarcaram no norte da África em novembro de 1942, expulsando dali os alemães e os italianos.

A Força Expedicionária Brasileira (FEB), criada para lutar na guerra, foi enviada à frente de batalha quase que dois anos depois, apenas em 1944. Prevista para ter um contingente de 100 mil combatentes, ela participou da guerra com apenas 25.334, que foram enviados para batalhas na Itália. O lema adotado pelos soldados da FAB foi “a cobra está fumando”.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.