O Senegal é um país situado na costa oeste da África, sendo berço de vários escritores famosos, como Léopold Senghor, primeiro presidente do país. Sua capital é Dacar. O país tem 13.508.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 196.722 km2.

Geografia

A oeste, o limite natural do Senegal é o oceano Atlântico. O país faz fronteira com a Mauritânia, o Mali, a Guiné-Bissau e a Gâmbia. O território da Gâmbia é uma faixa de terra que se estende pelo interior do Senegal a partir da costa. A pequena região senegalesa que fica ao sul da Gâmbia é chamada de Casamance.

A maior parte do território do Senegal é plana e baixa. No oeste há pequenos platôs e áreas planas mais elevadas. Montanhas baixas se erguem no leste. O Senegal é banhado por quatro grandes rios: o Senegal, o Saloum, o Casamance e o Gâmbia. O clima é quente na maior parte do país durante o ano todo, e chove mais no sul do que no norte.

Flora e fauna

A paisagem da maior parte do país é dominada por gramíneas e por árvores dispersas. No sul, as florestas são mais densas e há mangues em toda a costa.

Entre os animais típicos do Senegal estão macacos, panteras, javalis-africanos e cães selvagens. Alguns chimpanzés, elefantes, hipopótamos, antílopes, leões e leopardos vivem em um parque nacional no sudeste do país.

População

A população do Senegal é formada por vários grupos étnicos importantes, como os uolofes, os fulas, os sereres, os tuculores, os diolas, os malinqués e os soninqués. O maior grupo é o dos uolofes. O francês é a língua nacional, mas a maioria das pessoas fala o idioma de seu grupo étnico. A maior parte dos senegaleses é muçulmana e mais da metade da população vive no campo.

Economia

A maioria da população trabalha na agricultura. O principal cultivo é o do amendoim. Outros produtos importantes são: arroz, cana-de-açúcar, milhete, melão, algodão e vegetais. O Senegal vende muito peixe para outros países.

As indústrias senegalesas produzem óleo de amendoim, navios, fertilizantes e produtos derivados do petróleo. O Senegal explora minas de sal e de fosfato, que são usados para produzir fertilizantes. Turismo, comunicações e outros serviços também se tornaram áreas importantes da economia do país.

História

A região em que hoje fica o Senegal é habitada pelo homem desde a Pré-História. O povo tuculor se estabeleceu nessa área há quase mil anos. Mais ou menos na mesma época, os berberes, vindos do norte, começaram a difundir a religião muçulmana pela região. Mais tarde, os uolofes, os sereres e outros povos fundaram reinos próprios.

Comércio com os europeus

Exploradores europeus aportaram na região no século XV. Os primeiros a chegar foram os portugueses. Os dinamarqueses, os ingleses e os franceses vieram depois. A partir do século XVII, os europeus construíram entrepostos comerciais ao longo da costa. Eles comerciavam escravos africanos, marfim, ouro e um material vegetal muito útil chamado goma.

Domínio francês

Em 1895, o Senegal se tornou parte de uma grande colônia chamada África Ocidental Francesa. Em 1958, passou a ser um estado separado no interior da Comunidade Francesa, grupo de países que permanecia ligado à França. No entanto, logo abandonou a comunidade e se uniu ao Mali num único país, também chamado Mali. Em 1960, o Senegal se separou do Mali e se tornou um país independente.

Senegal independente

Léopold Senghor foi o primeiro presidente do Senegal. Ele era poeta e havia liderado o movimento pela independência do país. Em 1982, o Senegal e a Gâmbia se uniram, formando a Senegâmbia. A união foi desfeita em 1989. Enquanto isso, habitantes da Casamance começaram a lutar para torná-la independente do Senegal. A Casamance é praticamente separada do restante do Senegal pela Gâmbia, que forma uma faixa estreita que quase divide o país em dois. Os rebeldes e o governo senegalês assinaram um acordo de paz em 2004.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.