O Sri Lanka ocupa uma ilha em forma de pera no oceano Índico, na Ásia. Ex-colônia britânica, antes conhecida como Ceilão, tem duas capitais: Colombo, onde ficam os poderes executivo e judiciário, e Sri Jayewardenepura Kotte, ou simplesmente Kotte, onde fica o poder legislativo. O país tem 20.647.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 65.610 km2.

Geografia

O Sri Lanka está a 29 quilômetros da ponta sudeste da Índia. Entre os dois países fica o estreito de Palk.

Vales planos ou levemente elevados formam a maior parte da sua geografia. Existem algumas altas montanhas e vales profundos com rios no centro-sul do país.

Como o Sri Lanka fica perto da linha do equador, o clima é quente o ano todo. A região sudoeste é muito chuvosa e as outras partes da ilha são mais secas.

Fauna e flora

As áreas mais úmidas do Sri Lanka têm florestas tropicais perenes. Árvores que trocam de folhas conforme as estações crescem nas regiões mais secas, onde se encontram arbustos espinhosos e outras plantas que podem sobreviver com pouca água.

Leopardos, ursos, javalis, elefantes, pavões e macacos vivem nas florestas. O governo criou alguns parques nacionais para proteger a vida selvagem do país.

População

Os cingaleses representam cerca de 80 por cento da população. Falam o cingalês e são praticantes do budismo. Os tâmeis formam o segundo grande grupo. Falam o tâmil, língua também usada no sudeste da Índia, e praticam o hinduísmo, também a principal religião da Índia. Os mouros representam o terceiro maior grupo étnico do Sri Lanka e são, na maioria, descendentes de árabes. Seguem a religião muçulmana e falam principalmente o tâmil. Muitos habitantes falam também inglês. A maior parte da população mora em vilarejos rurais.

Economia

O setor de serviços, como telecomunicações, seguros e bancos, tornou-se chave na economia do Sri Lanka. A indústria e a mineração são igualmente importantes. O país produz roupas, chá, derivados da borracha, alimentos, tabaco e produtos químicos. Há minas de grafite (usado nos lápis) e pedras preciosas.

Muitos cingaleses cultivam o arroz e outros grãos para consumo doméstico. O chá, as seringueiras e os coqueiros são cultivados em grandes fazendas, com objetivos comerciais.

História

Os primeiros habitantes da ilha foram os vedás. Por volta de 400 a.C., começaram a se misturar com imigrantes indianos. A população da ilha acabou ficando conhecida como cingalesa e logo construiu uma civilização budista avançada. Por volta do ano 900, invasores tâmeis vindos da Índia empurraram os cingaleses para a região sudoeste. No século XIV, os tâmeis estabeleceram um reino no norte.

Domínio europeu

Os portugueses chegaram em 1505 e, por volta de 1619, controlavam a maior parte da ilha, à qual chamavam de Taprobana (palavra tirada da estrofe inicial do poema Os lusíadas, de Luís de Camões). Em 1658 teve início o domínio holandês. No fim do século XVIII, os britânicos apoderaram-se da ilha e a chamaram de Ceilão. No começo cultivavam café e depois chá, seringueiras e coqueiros. O Ceilão conquistou sua independência da Grã-Bretanha em 1948. O país adotou nova constituição em 1972 e passou a se chamar Sri Lanka.

Independência

Os cingaleses assumiram o controle do governo e privilegiaram o uso do idioma cingalês e da religião budista, acima das outras línguas e religiões do país. Logo os tâmeis da ilha quiseram estabelecer um país tâmil independente no nordeste. Nos anos 1980, violentos confrontos aconteceram entre grupos tâmeis e o governo cingalês. Os ataques de terroristas tâmeis tiveram prosseguimento no começo do século XXI.

Os combates entre os rebeldes tâmeis e o governo chegaram ao fim em maio de 2009, quando tropas do governo tomaram o controle da base dos rebeldes e mataram os líderes remanescentes da rebelião.

Em 2004, um tsunami atingiu o Sri Lanka, matando milhares de pessoas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.