O Reino da Suécia é um grande país da Europa setentrional, ou seja, do norte da Europa. Durante o século XVII, a Suécia foi um dos países mais poderosos do continente. Atualmente, é uma nação rica e pacífica. Sua capital é Estocolmo. A Suécia tem 9.693.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 447.420 km2.

Geografia

A Suécia é o maior país da Escandinávia, região que inclui também a Noruega e a Dinamarca. A Noruega estende-se ao longo da fronteira oeste da Suécia; a nordeste, fica a Finlândia. O golfo de Bótnia e o mar Báltico ficam na costa oeste; estreitos cursos de água separam a Suécia da Dinamarca, a sudoeste.

Uma longa cadeia de montanhas se estende ao longo da fronteira ocidental do país. No leste, encontram-se planícies. Inúmeros pequenos rios que nascem nas montanhas correm para o sudeste, e as terras são pontilhadas de lagos.

De modo geral, o clima é moderado, com verões frescos e invernos frios. O norte, no entanto, tem invernos gelados e sombrios; nessa região, chega a nevar oito meses por ano.

Flora e fauna

Florestas de abetos, pinheiros e bétulas cobrem boa parte do território. Muitas frutas silvestres e cogumelos crescem nas florestas.

Entre os animais destacam-se a lebre, a doninha, o esquilo, a raposa, o alce e o urso. Os lapões — povo que vive no norte do país — criam renas no extremo norte, onde vivem também linces e veados de chifres palmados. Os mares, rios e lagos da Suécia abrigam diversos tipos de peixes.

População

A maior parte da população do país é composta por suecos. Finlandeses, sérvios, outros europeus e alguns asiáticos e africanos formam grupos menores. Além disso, milhares de lapões vivem no extremo norte da Escandinávia. O idioma oficial é o sueco. A maior parte da população segue a Igreja da Suécia, um ramo da Igreja Luterana. A maioria vive nas cidades, principalmente no sul do país.

Economia

Serviços, como os dos setores bancário, de saúde e de comunicações, formam a base da economia. A indústria também é importante. Duas das principais empresas suecas fabricam automóveis: a Saab e a Volvo. O país produz também maquinário, eletrônicos, papel, madeira, metal, gêneros alimentícios e peças de mobiliário. Das minas, são extraídos ferro, zinco, cobre e outros minerais.

A agricultura tem menor importância na economia. No país são cultivados principalmente beterraba, trigo e cevada. A criação de porcos, de gado bovino e de ovelhas é responsável pelo fornecimento de carne e laticínios. A pesca é outra fonte de alimentos.

História

A região hoje ocupada pela Suécia é habitada há milhares de anos. Os lapões foram um dos primeiros povos a viver ali.

No século IX, guerreiros conhecidos como vikings passaram a viver na Suécia e na maior parte da Escandinávia. Nos duzentos anos que se seguiram, os vikings da Suécia atacaram regiões do nordeste da Europa e da Rússia.

Na Idade Média, a Suécia foi dividida em diversas províncias, cada uma com suas próprias leis. Poderosos reis locais lutavam pelo controle do país como um todo. No século XIII, as províncias se juntaram para criar um reino unificado. Em 1323, a Suécia conquistou a Finlândia.

Uma união conturbada

Em 1397, um único rei assumiu o poder sobre a Suécia, a Noruega e a Dinamarca. Os três reinos ficaram unidos por cerca de 125 anos. No entanto, havia muitos conflitos entre a Suécia e os outros reinos. Uma das batalhas mais violentas ocorreu em 1520. Tropas dinamarquesas invadiram a Suécia e realizaram um massacre que ficou conhecido como Banho de Sangue de Estocolmo. A Suécia separou-se da Noruega e da Dinamarca em 1523.

Uma grande potência

No século XVII, a Suécia tornou-se uma grande potência, liderada pelo rei Gustavo II Adolfo. A Suécia conquistou grandes áreas dos países vizinhos: Finlândia, Estônia, Rússia e Polônia. Em 1632, Gustavo morreu em batalha, porém mesmo assim a Suécia continuou sendo o país mais poderoso da Europa setentrional por aproximadamente mais cem anos.

No século XVIII e início do XIX, a Suécia travou diversas guerras contra a Rússia, perdendo para esta uma grande quantidade de terras, inclusive a Finlândia. Mais tarde, porém, a Suécia e a Rússia se uniram à Grã-Bretanha em uma guerra contra a França. A Suécia também tomou a Noruega da Dinaramca em 1814 e a governou até 1905.

A Suécia contemporânea

O país tenta manter-se neutro, o que significa que não toma partido em conflitos entre outros países. Na Primeira e na Segunda Guerras Mundiais, por exemplo, não apoiou nenhum lado.

Na segunda metade do século XX, a Suécia tornou-se um dos países mais ricos da Europa. Os suecos são um dos povos que pagam os impostos mais altos de todo o mundo. O governo investe esse dinheiro em serviços sociais, como escolas públicas e planos de saúde para toda a população.

Em 1975, o país extinguiu os últimos poderes do rei; um primeiro-ministro passou a liderar o governo. Em 1995, a Suécia passou a fazer parte da União Europeia (UE), um grupo de países democráticos. No entanto, em 2003 votou contra a adoção do euro, a moeda usada por grande parte dos países da União Europeia.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.