O Sudão do Sul é um país da África. Era uma parte do Sudão até 2011, quando se tornou independente. A capital do Sudão do Sul é Juba. O país tem 11.563.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 644.330 km2.

Geografia

O Sudão do Sul encontra-se no nordeste da África. Faz fronteira com o Sudão, a Etiópia, o Quênia, Uganda, a República Democrática do Congo e a República Centro-Africana.

O país possui planícies e montanhas com áreas planas elevadas chamadas de platôs. No coração do Sudão do Sul há uma enorme região pantanosa conhecida como Al-Sudd (o Sudd). Um ramo do rio Nilo, o Nilo Branco, corre do sul ao norte através do centro do país.

O Sudão do Sul é um país quente e tem um longo período de chuvas.

Flora e fauna

Na parte norte do Sudão do Sul crescem arbustos e gramíneas. Mais ao sul, há florestas tropicais.

A fauna do país inclui leões, leopardos, crocodilos, elefantes, antílopes, girafas, zebras, chimpanzés, rinocerontes e hipopótamos. O Sudão do Sul tem várias áreas naturais protegidas, entre elas reservas de caça e parques nacionais.

População

A maioria dos habitantes do Sudão do Sul é formada por negros africanos que seguem o cristianismo ou religiões tradicionais africanas. O maior grupo étnico é o dos dinka. Outros grupos incluem os nuer, os azande, os bari, os shilluk e os anuakes. Há também uma pequena população árabe. O inglês é uma língua comum, mas os povos do Sudão do Sul falam muitas outras línguas. A maioria das pessoas vive nas áreas rurais.

Economia

Em sua maioria, os sul-sudaneses são agricultores. Eles colhem milho, sorgo, amendoim e outros cultivos. Também criam ovinos, caprinos, bovinos e camelos.

O Sudão começou a vender petróleo para outros países em 1999. Grande parte do petróleo estava na região que se tornou o Sudão do Sul em 2011. O novo país esperava lucrar com a exploração desse recurso, porém, no momento da independência, o Sudão do Sul era muito pobre e não possuía as instalações necessárias para processar o petróleo. Enquanto se preparava para a independência, a população do Sudão do Sul trabalhou para melhorar a infraestrutura para o refino de petróleo e todas as áreas da economia. Com os parques nacionais da região e outras áreas de beleza natural, o país esperava atrair turistas.

História

Por milhares de anos, a área que hoje é o Sudão do Sul foi parte da grande região conhecida como Sudão. Muitos povos diferentes controlaram a região em vários momentos. No entanto, a maioria dos assentamentos ficava na parte norte da região.

Por volta do século XV, os árabes do Egito tinham se mudado para o norte do Sudão. O Egito conquistou todo o Sudão em 1874. Os egípcios deixaram o comando do território nas mãos de governadores britânicos. A Grã-Bretanha e o Egito governaram o Sudão na maior parte do período entre 1874 e 1956. Naquele ano, o Sudão se tornou independente.

Governos militares, liderados pelos muçulmanos do norte, logo chegaram ao poder. Os povos não muçulmanos do sul lutaram contra eles. A guerra civil levou à fome, que matou milhares de pessoas, e forçou milhões a deixar o país. Finalmente, em 2005, ambos os lados concordaram em pôr fim aos combates. Parte do acordo permitiu que o povo do sul decidisse, por meio de uma votação, se desejava continuar a fazer parte do Sudão ou formar seu próprio país. No início de 2011, a população optou pela separação. A região tornou-se oficialmente o Sudão do Sul em julho daquele ano.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.