Vittorio Breheret, que adotou o nome Vítor Brecheret, foi um escultor italiano naturalizado brasileiro. Nasceu em 1894 na pequena localidade de Farnese de Castro, em Viterbo, na Itália.

Como viveu o escultor

Sua família emigrou para o Brasil quando ele ainda era criança. Na adolescência, aprendeu desenho, modelagem e entalhe no Liceu de Artes e Ofícios, em São Paulo, onde começou seu aprendizado artístico. Mais tarde, estudou arte em Roma, onde desenvolveu os conhecimentos de escultura em barro, gesso, pedra e mármore. A partir daí, passou a dividir sua carreira entre o Brasil e a Europa.

Em Roma, frequentou estúdios de escultores europeus e conheceu diversas tendências e estilos de vanguarda nas décadas de 1910 e 1920.

Viveu também em Paris, na França, onde permaneceu por cerca de quinze anos. Brecheret expôs em importantes salões de arte, como o Salão dos Independentes, em 1929, e recebeu diversos prêmios.

Esculturas

Vítor Brecheret pode ser considerado o escultor por excelência da cidade de São Paulo. Várias de suas obras podem ser vistas em praças, parques e cemitérios da cidade.

Seus trabalhos mais conhecidos são o Monumento às bandeiras (granito, 1936-1953), o Monumento a Caxias (bronze, 1941-1960), o Fauno (granito, 1942), Depois do banho (bronze, 1945) e Ídolo (1921).

Brecheret experimentou diversos estilos que conheceu na Europa, como o construtivismo, o expressionismo e o cubismo, recriando-os de forma pessoal.

Na fase mais madura da carreira, produziu obras em terracota (argila cozida), inspirado na cultura indígena brasileira. Índio e a suaçuapara (terracota, 1951) é uma escultura deste período.

Homenagem às bandeiras

O Monumento às bandeiras, esculpido em granito, tem 12 metros de altura, 50 metros de extensão e 15 metros de largura. Composto de quarenta grandes figuras esculpidas num só grupo, e encomendado pelo governo do estado, o monumento é hoje um dos marcos da cidade de São Paulo.

Brecheret levou cerca de trinta anos para concluir esse trabalho, porque o projeto foi interrompido várias vezes por questões administrativas.

Instalada ao lado do Parque do Ibirapuera, a obra representa uma expedição bandeirante. Um grupo composto de indígenas, negros, portugueses e mamelucos puxa uma canoa, como a que os bandeirantes usavam nas monções para chegar ao interior pelos rios. À frente vão duas figuras a cavalo: uma delas representa o colonizador português; a outra, um guia indígena.

A escultura foi instalada no sentido em que partiam as bandeiras para o interior. Um mapa de Afonso Taunay, também esculpido no granito, mostra o roteiro das expedições. Ao lado, placas com poemas de Guilherme de Almeida e Cassiano Ricardo homenageiam as bandeiras.

O modernismo e a terracota

Vítor Brecheret foi um dos organizadores da Semana de Arte Moderna de 1922, ao lado de Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Di Cavalcanti e Menotti del Picchia. Esse evento cultural, apresentado no Teatro Municipal de São Paulo, lançou uma proposta de renovação da linguagem artística. Brecheret representou o modernismo na escultura, expondo vinte esculturas no Teatro Municipal.

Em 1951, ele ganhou o I Prêmio Nacional de Escultura da Bienal de São Paulo com a obra Índio e a suaçuapara, em terracota. Era a valorização de sua busca do que considerava legitimamente brasileiro.

Vítor Brecheret morreu em São Paulo, em 1955.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.