Alfabeto é um conjunto de letras usado para representar a linguagem na forma escrita. Cada letra corresponde a um som falado (fonema). Muitas línguas usam alfabetos. Algumas, porém, utilizam outros sistemas. Em japonês, por exemplo, cada símbolo corresponde a um grupo de sons (sílaba) em vez de um fonema. A escrita chinesa usa símbolos que representam o significado das palavras, não os sons.

A língua portuguesa, como a maioria dos idiomas europeus, utiliza o alfabeto latino, composto de 26 letras: a, b, c, d, e, f, g, h, i, j, k, l, m, n, o, p, q, r, s, t, u, v, w, x, y, z. Outros alfabetos podem ter mais ou menos letras, mas todos se desenvolveram a partir de formas de escrita antigas. Como outras línguas, a portuguesa tem um alfabeto fonético formado por vogais e consonantes que ajuda a pronunciar as palavras. Os fonemas são parte da fala.

Antigos sistemas de escrita

Há milhares de anos, as pessoas usavam desenhos para comunicar ideias. O primeiro sistema de escrita, criado no Oriente Médio, utilizava símbolos que correspondiam ao significado das palavras. Posteriormente foram criados outros símbolos, que representavam sons.

Há mais de 3 mil anos, na região da atual Síria, começou a ser empregado um método mais simples, que hoje é chamado de sistema norte-semítico. Muitos alfabetos modernos têm origem nesse sistema, que usava apenas 22 símbolos. Nenhum deles significava palavras inteiras. Cada letra representava uma consoante. Não havia símbolos para vogais. Mais tarde, os fenícios fizeram pequenas modificações nesse sistema.

Os alfabetos grego e latino

A partir da escrita fenícia, os gregos antigos criaram um alfabeto próprio, ancestral do alfabeto latino e de todos os alfabetos ocidentais modernos. Para muitas pessoas, o sistema grego foi o primeiro alfabeto de verdade, pois tinha símbolos tanto para vogais como para consoantes. Ele é o ancestral do alfabeto latino e de todos os alfabetos ocidentais modernos.

Os romanos desenvolveram o alfabeto latino. Com a expansão do Império Romano, o alfabeto criado por eles espalhou-se por seus vastos domínios. Assim, seu alfabeto passou a ser usado para escrever muitas outras línguas além do latim. O alfabeto latino mudou ao longo do tempo. Novas letras se tornaram necessárias para pronunciar palavras em diferentes idiomas. Surgiram também outras combinações de letras. O alfabeto latino é o que utilizamos para escrever a língua portuguesa.

Outros alfabetos

O sistema norte-semítico também deu origem a outros alfabetos antigos (o aramaico, por exemplo). Os modernos alfabetos hebraico e arábico derivam do aramaico. Hoje em dia, a população de Israel e os judeus espalhados pelo mundo usam o alfabeto hebraico. Em extensas regiões do Oriente Médio e do norte da África, utiliza-se o alfabeto arábico. Nesses alfabetos, um pequeno número de consoantes dá o significado básico da palavra. As vogais mudam muito pouco o sentido.

O alfabeto aramaico provavelmente influenciou o mais antigo sistema de escrita usado na Índia. Denominado brami, ele existe há mais de 2.500 anos. Quase todos os modernos alfabetos da Índia se originaram do brami.

O alfabeto cirílico foi criado há mais de mil anos. Monges da Igreja Ortodoxa, na Europa oriental, utilizavam-no em textos religiosos. O cirílico se baseava no alfabeto grego da época. Hoje em dia, uma versão moderna do alfabeto cirílico é usado pelas populações da Rússia, da Ucrânia, da Bulgária, da Sérvia e de outros países.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.