Os algarismos romanos são um sistema de representação de números que usa as letras do alfabeto romano, ou latino. O sistema foi criado há 2 mil anos, na Roma antiga. Desde então, os algarismos romanos foram substituídos pelos algarismos arábicos (1, 2, 3...). Os algarismos romanos são usados para numerar os séculos (século XXI) e os nomes de reis (dom João VI) e de papas (João Paulo II), entre outras coisas.

Como funcionam os algarismos romanos

O sistema numérico romano usa sete letras para representar os números: 1 = I; 5 = V; 10 = X; 50 = L; 100 = C; 500 = D; 1.000 = M. Os algarismos podem ser escritos tanto em maiúsculas como em minúsculas. Um traço horizontal sobre um número multiplica seu valor por mil.

Quando um algarismo é seguido de outro de valor igual ou menor, seus valores são somados: II = 2; VI = 6; CLV = 155. Esse sistema poderia criar números muito compridos se os algarismos pudessem ser repetidos infinitamente (por exemplo IIII ou CCCC). Para evitar esse problema, o sistema usa a subtração entre os números. Um algarismo não pode ser usado mais do que três vezes seguidas. Em vez de repetir o algarismo pela quarta vez, o valor é expresso por um algarismo menor seguido por um maior. O algarismo menor é subtraído do maior. Por exemplo, ao invés de IIII, o número 4 é escrito como IV (subtrai-se 1 de 5). O número 400 é escrito CD (subtrai-se 100 de 500). Apenas certas combinações de números são usadas dessa maneira.

Por exemplo, 1.999 é expresso em algarismos romanos como MCMXCIX, ao invés de MIM. Esse número se compõe da seguinte maneira: M (1.000) + CM (900) + XC (90) + IX (9).

Uso dos algarismos romanos

Normalmente as pessoas acham mais fácil usar os algarismos arábicos. Os algarismos romanos são utilizados em muitos relógios, na numeração dos séculos e nas primeiras páginas de alguns livros. Os algarismos romanos são colocados geralmente depois do nome de imperadores, reis, rainhas e papas que se chamam da mesma forma para que possam ser diferenciados (dona Maria I, papa Bento XVI, por exemplo).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.