Há centenas de anos, pessoas conhecidas como alquimistas tentavam transformar chumbo em ouro e criar poções que dessem às pessoas a possibilidade de viver para sempre. Esses estudos eram chamados de alquimia.

Os alquimistas faziam experimentos com metais, sais, ácidos e outras substâncias químicas. Eles desenvolveram muitas ideias mágicas e não científicas sobre o mundo. Os alquimistas pensavam, por exemplo, que as posições dos astros no céu podiam afetar suas experiências químicas. Hoje os cientistas não reconhecem a alquimia como ciência. Alguns deles, porém, consideram que os alquimistas ajudaram a estabelecer as bases científicas da química moderna.

Na Antiguidade, diversas formas de alquimia foram praticadas pelos povos da China, da Índia, da Grécia e do Oriente Médio. Por volta do século XII, na Europa, algumas pessoas tomaram conhecimento de várias dessas práticas antigas e começaram a fazer seus próprios experimentos. Elas tentaram transformar chumbo em ouro, aquecendo o chumbo e misturando-o com muitas outras substâncias. Esses estudiosos conservaram a maior parte de seus procedimentos em segredo.

Os alquimistas nunca conseguiram fabricar ouro nem fazer alguém viver para sempre, mas chegaram a algumas descobertas úteis. Eles encontraram formas de produzir substâncias químicas chamadas ácidos minerais a partir de outras substâncias. Além disso, perceberam como algumas substâncias químicas reagem quando são misturadas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.