O apartheid foi um sistema de segregação racial implantado na África do Sul em 1950 que vigorou até o início da década de l990. A palavra apartheid significa “separação” em africâner, idioma falado no país.

A maior parte da população da África do Sul não é branca, mas durante muitos anos a minoria de origem europeia controlou o governo. Essa minoria estabeleceu leis que impediam a mistura de raças e discriminavam as pessoas pela cor da pele.

O apartheid dividia os sul-africanos em quatro grupos: brancos, bantos (negros), mestiços e asiáticos. Os três últimos (não brancos) não tinham permissão para manter negócios, possuir terras e nem mesmo viver fora da área que lhes era destinada. Para circular nas áreas exclusivas dos brancos, os demais precisavam de um documento especial (um “passe”). As leis proibiam casamentos mistos, separavam alunos nas escolas e determinavam a função que os trabalhadores podiam exercer, dependendo da cor da pele. O governo também criou dez áreas independentes, os bantustões, territórios tribais em que a população negra vivia confinada.

Muitos negros, com o apoio de alguns brancos, protestaram contra o apartheid na África do Sul. O Congresso Nacional Africano (CNA) foi o grupo político que liderou a luta. Algumas vezes os protestos assumiam caráter violento. Num bairro chamado Soweto, em 1975, estalou uma sangrenta revolta contra o ensino obrigatório do idioma africâner. Muitos países, entre eles o Brasil, condenaram o apartheid. Em 1985, o Reino Unido e os Estados Unidos impuseram restrições comerciais à África do Sul.

Para atenuar o isolamento do país, o governo sul-africano concedeu alguns direitos aos não brancos no final dos anos 1980. Entre 1990 e 1991, o governo chefiado pelo presidente Frederik de Klerk revogou a maior parte das leis do apartheid. Em 1994, todas as raças puderam votar numa eleição nacional, na qual Nelson Mandela foi eleito presidente. O apartheid acabou, mas seus efeitos persistem. A intolerância racial deixou marcas profundas na África do Sul.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.