Há milhões de anos, todas as aves podiam voar. Com o passar do tempo, porém, algumas delas perderam essa habilidade, apesar de ainda terem asas.

Por que algumas aves não voam

Os cientistas não conseguem chegar a um acordo sobre a razão de algumas aves não voarem. Uma hipótese é que isso tenha relação com o local onde viviam. Os primeiros pássaros não voadores podem ter aparecido em lugares isolados ou afastados do resto do mundo. Provavelmente, não tinham inimigos e não precisavam voar para se manter vivos. Por isso, na medida em que evoluíram, ou se desenvolveram, por milhares de anos, eles gradualmente perderam a habilidade de voar.

Aves que atualmente não voam

A maior ave que não voa é o avestruz da África. A ema, o emu e o casuar são outras grandes aves que não voam. As emas vivem na América do Sul, os emus são da Austrália e os casuares são da Austrália e da Nova Guiné. Todas essas aves têm cerca de 1,5 metro de altura e pernas muito fortes.

Quivis e pinguins são duas das menores aves que não voam. Os quivis são do tamanho de uma galinha e vivem na Nova Zelândia. Os pinguins podem ter até 1 metro de altura e vivem principalmente na Antártica.

Aves não voadoras que foram extintas

Algumas aves não voadoras estão extintas ou completamente desaparecidas. Enormes pássaros-elefantes viviam na ilha de Madagascar, a leste da costa africana. Eles alcançavam 3 metros de altura e 450 quilos. Os pássaros-elefantes desapareceram nos últimos mil anos.

Os moas, aves não voadoras da família do avestruz, viviam em ilhas da Nova Zelândia. Por volta de 1250 d.C., os seres humanos chegaram e começaram a caçá-los para comer. Os moas desapareceram completamente em 1350.

Os dodôs viviam nas ilhas Maurício, no oceano Índico. Marinheiros chegaram por volta de 1507 e começaram a caçá-los. Esses pássaros não voadores faziam seus ninhos no chão, por isso seus ovos ficavam desprotegidos. Porcos e ratos, que vieram com os homens, encontravam os ovos facilmente e os comiam. Os dodôs foram extintos em 1690.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.