A baía de Hudson é uma grande extensão de mar situada no nordeste do Canadá. Ela foi descoberta pelo explorador britânico Henry Hudson, em 1610, enquanto ele procurava um caminho para navegar da Europa até a Ásia pelo oeste, contornando a América do Norte.

A baía de Hudson é ligada pelo estreito de Hudson ao oceano Atlântico, a leste, e pelo canal Foxe ao oceano Ártico, a norte. O clima na baía é rigoroso. O inverno é caracterizado por tempestades de neve e ventos fortes. Nos meses mais frios, placas de gelo flutuam sobre boa parte da baía.

A maior parte do litoral é composta de marismas — um tipo de terreno pantanoso — situadas sobre solos permanentemente congelados. Musgos, liquens, árvores de pequeno porte e arbustos crescem ao longo da costa. Ao sul, encontram-se algumas florestas de pinheiros.

A baía de Hudson já foi muito importante para a economia do Canadá. A Hudson’s Bay Company (Companhia da Baía de Hudson), empresa mais antiga do Canadá, teve início ali, em 1670. A companhia, que na época vendia peles de animais, estabeleceu vários postos de comércio na região. Por dois séculos, a baía foi a principal rota para exploradores e comerciantes que queriam ir para o interior do Canadá. Atualmente, como forma de preservar a área, o governo não permite atividades econômicas na baía. Mas a população nativa, que vive em pequenas aldeias da região, tem permissão para pescar e caçar mamíferos marinhos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.