Um banco é uma empresa que trabalha com empréstimos de dinheiro. Ele toma dinheiro emprestado dos clientes que investem ou depositam em contas do banco. Esse dinheiro é emprestado a outros clientes, que ficam sendo os devedores. O banco paga juros aos investidores e recolhe taxas dos devedores. Ele cobra juros maiores quando empresta dinheiro e paga juros menores quando o toma emprestado. O lucro do banco está na diferença entre essas duas taxas de juros. Os bancos modernos prestam outros serviços também.

Contas bancárias

Quando uma pessoa tem dinheiro depositado no banco, dizemos que ela tem uma conta bancária. Um tipo de conta bancária é a conta corrente. A pessoa que tem conta corrente é chamada de correntista e pode pagar coisas com cheques. Um cheque é uma espécie de ordem de pagamento, ou seja, o banco deve pagar o valor que está escrito no cheque à pessoa que o receber. O dinheiro sai da conta do correntista, que é o cliente do banco. A pessoa que apresenta o cheque deverá tê-lo recebido do correntista. Os clientes do banco também podem usar um cartão de plástico, chamado cartão de débito, para fazer pagamentos usando dinheiro de sua conta corrente. As contas correntes normalmente não pagam juros ao cliente. Além disso, o banco costuma cobrar uma taxa de manutenção da conta corrente. Mas as pessoas usam esse tipo de conta porque é uma maneira segura e prática de lidar com dinheiro.

Outro tipo de conta bancária é a conta de poupança. As pessoas guardam dinheiro em contas de poupança para receber juros. O banco paga um certo valor em juros (uma porcentagem) para cada real guardado na conta de poupança.

O banco guarda em dinheiro vivo apenas uma parte do que está nas contas. O restante do dinheiro é emprestado a outras pessoas e usado para fazer investimentos. O banco utiliza computadores para controlar o que faz com todo esse dinheiro.

Empréstimos e outros serviços

Pessoas e empresas frequentemente tomam dinheiro emprestado dos bancos. Isso é chamado de empréstimo. Quando devolvem o dinheiro emprestado, elas pagam um pouco a mais: esse valor a mais são os juros. O empréstimo geralmente é pago em parcelas mensais chamadas prestações. Se o devedor não pagar o dinheiro que tomou emprestado, o banco pode tirar dele o que foi comprado com o empréstimo — um carro, por exemplo.

Os bancos modernos oferecem outros serviços também. Alguns bancos vendem seguros. Todos eles recebem o pagamento de contas, além de cuidar de diversos tipos de investimentos dos clientes, como os de ações. Muitos bancos fornecem cartões de crédito aos seus clientes. Com esses cartões, é possível comprar um produto e pagar por ele um pouco mais tarde, muitas vezes dividindo o pagamento em prestações. O banco paga pelo produto à loja à vista (no ato) e o cliente paga o que deve ao banco através de faturas, que são documentos de cobrança enviados todo mês ao cliente. Os bancos também têm caixas automáticas, ou caixas eletrônicas. Os clientes podem usar essas caixas para sacar dinheiro de suas contas e fazer depósitos nelas, entre outros serviços.

Tipos de banco

Os bancos usados pela maioria das pessoas são os chamados bancos comerciais. Outros tipos de banco fazem transações especiais. Os bancos de investimentos vendem ações e títulos. As cooperativas de crédito concedem empréstimos a trabalhadores. Bancos conhecidos como caixas econômicas concedem financiamentos para as pessoas comprarem sua casa própria. Os bancos centrais — como o Banco Central do Brasil — são responsáveis pelas regras de uso do dinheiro de seus países. Há ainda os bancos internacionais, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que, entre outras coisas, emprestam dinheiro a países em desenvolvimento.

História

Já existiam atividades bancárias na Mesopotâmia antiga, há pelo menos 4 mil anos. Os primeiros banqueiros guardavam ouro e prata para as pessoas e também faziam empréstimos desses metais preciosos. Na Grécia e na Roma antigas havia companhias muito semelhantes aos bancos modernos.

Florença e Veneza, duas cidades da Itália, se tornaram centros bancários no século XV. O primeiro banco a emitir dinheiro em papel-moeda foi o Banco de Estocolmo, da Suécia, em 1661. Em outras partes da Europa, os comerciantes de ouro fizeram as vezes de banqueiros até serem fundados os bancos, como o Banco da Inglaterra, em 1694.

O Banco do Brasil foi fundado por dom João VI, em 1808. Trabalhava com depósitos e empréstimos, além de fazer a venda de produtos como o pau-brasil e o diamante, dos quais a Coroa tinha o monopólio da comercialização. Em 1829, esse primeiro Banco do Brasil foi fechado, por má administração. Foi só em 1851, por iniciativa do barão de Mauá, Irineu Evangelista de Sousa, que se abriu o Banco do Brasil como o conhecemos hoje. O Banco Central do Brasil, que fiscaliza todos os outros bancos e regulamenta a política monetária do país, foi fundado em 1964.

Nos Estados Unidos, muitas pessoas não queriam que o governo americano controlasse as atividades dos bancos. Por isso, o Banco Central dos Estados Unidos foi fechado em 1836. Mas em 1913, diante dos problemas surgidos pela falta de controle, o governo criou o Federal Reserve System, que hoje fiscaliza os bancos dos Estados Unidos. Muitos bancos foram à falência durante um período conhecido como Grande Depressão, que começou em 1929. Os depositantes desses bancos perderam seu dinheiro. Para proteger os depositantes, o Congresso dos EUA criou em 1933 a Corporação Federal de Seguro dos Depósitos (FDIC). Se algum banco entra em falência, a FDIC dá aos depositantes o dinheiro que estava guardado nele. Nas décadas seguintes, outros países, como o Brasil, criaram mecanismos para proteger pelo menos parte do dinheiro dos depositantes em caso de falência das instituições bancárias.

Hoje os bancos usam computadores em quase todas as operações. Os clientes frequentemente usam seus computadores pessoais e outros aparelhos eletrônicos, como tablets e celulares, para fazer operações bancárias. As pessoas podem usar a internet para fazer pagamentos ou transferir dinheiro entre contas bancárias.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.