O baobá é uma árvore nativa da África. Pertence à família das malváceas, parente dos hibiscos e da malva. O tronco, em forma de cone, pode chegar a 9 metros de diâmetro e a 30 metros de altura. As folhas jovens do baobá são comestíveis e medicinais. O fruto, chamado múcua, tem polpa seca e agridoce, ou seja, é adocicado mas levemente ácido, da qual se faz uma bebida refrescante. A fibra da casca é usada para fabricar cordas e roupas.

Os baobás se desenvolvem principalmente nas regiões secas, onde se costuma escavar o tronco para usá-lo como depósito de água ou abrigos temporários. Na Austrália, há uma espécie de baobá chamado de árvore-garrafa, pois o caule tem capacidade de armazenar 120 mil litros de água.

O baobá tem um formato bem peculiar: uma profusão de galhos sustentados por um tronco grosso. Existe até uma lenda árabe para explicá-lo. O demônio teria arrancado o baobá e enfiado os galhos na terra, deixando as raízes no ar.

No Brasil, existem poucos exemplares dessa árvore. Há quem acredite que as mudas chegaram ao país no século XVII, com Maurício de Nassau, durante o domínio holandês, para ser plantada em seu jardim botânico privado. Outros dizem que elas teriam sido trazidas por sacerdotes africanos e plantadas no Brasil para o culto de suas religiões. Os praticantes do candomblé consideram o baobá uma árvore sagrada.

Há onze dessas árvores no estado do Rio Grande do Norte e dezesseis no de Pernambuco. Conta-se que o baobá da Praça da República, no centro do Recife, em Pernambuco, serviu de inspiração para Antoine de Saint-Exupéry — que visitou a cidade — ao escrever O pequeno príncipe. O personagem principal do livro vivia preocupado com os brotos de baobá que ameaçavam ocupar todo o seu asteroide.

Em Fortaleza, capital do estado do Ceará, existe um baobá no Passeio Público, onde foram fuzilados alguns revolucionários da Confederação do Equador. Na Vila de Nossa Senhora do Ó, no município de Ipojuca, em Pernambuco, há um baobá com 15 metros de circunferência. Dizem que ele tem mais de 350 anos de vida.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.