O barroco é uma forma elaborada de arte que surgiu na Europa no final do século XVI. As pinturas, esculturas e edifícios barrocos, assim como as composições musicais do período, são reconhecidos pela riqueza nos detalhes e pela dramaticidade. Através das obras do barroco, os artistas procuravam estimular as emoções e os sentidos das pessoas.

História

O barroco se originou na Itália, mas floresceu também em outros lugares. O estilo tem representantes em vários ramos artísticos, como escultura, arquitetura, música e decoração. A origem da palavra barroco é incerta. Alguns acreditam que venha do italiano, barocco, palavra usada para se referir a uma ideia ou pensamento tortuoso. Outros creem que tenha origem portuguesa: barroco é um termo usado para descrever pérolas imperfeitas — alguns consideravam o barroco um estilo imperfeito, exagerado, sem regras, em comparação com o estilo clássico, que prezava pela moderação e clareza.

Artistas notáveis do barroco incluem os pintores Caravaggio, Annibale Carracci e Peter Paul Rubens. O palácio real em Versalhes, na França, é um exemplo da arquitetura barroca. Entre os compositores, destacam-se Antonio Vivaldi, Georg Friedrich Händel e Johann Sebastian Bach.

O estilo barroco chegou ao fim nos anos 1700. No período que veio em seguida, a arte passou a ser menos dramática e menos detalhada.

O barroco brasileiro

No Brasil, o barroco foi introduzido pelos religiosos e colonizadores portugueses. Nas artes plásticas, o barroco brasileiro se desenvolveu do século XVIII até o início do século XIX, incorporando diversas formas do barroco europeu combinadas com elementos das culturas indígenas e africanas. Embora possa ser visto em diversas partes do Brasil, foi principalmente em Minas Gerais e na Bahia que o estilo prosperou. O artista e arquiteto mais conhecido do barroco brasileiro é o Aleijadinho, cujas obras podem ser apreciadas nas cidades históricas de Ouro Preto, São João del Rei, Congonhas (então chamada de Congonhas do Campo) e Sabará, entre outros lugares.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.