O bem-te-vi é um pássaro da família dos tiranídeos. Seu nome é uma onomatopeia de seu canto — ao cantar, ele parece estar dizendo “bem te vi”.

A área em que o bem-te-vi habita inclui algumas regiões do sul dos Estados Unidos, mas é principalmente na América Latina que ele é encontrado. No Brasil, é um dos pássaros mais populares.

O corpo do bem-te-vi tem em média 22 cm de comprimento e é bastante colorido. A barriga e o peito são amarelos. As costas, as asas e a cauda são marrom-avermelhadas. O pescoço é branco, e a cabeça preta é atravessada por uma faixa também branca, acima dos olhos. Debaixo do topo preto da cabeça, o bem-te-vi possui penas amarelas que formam um topete quando ele as eriça.

A alimentação dessa ave consiste essencialmente de animais e frutas. Os animais incluem caracois, besouros, gafanhotos, aranhas e até pequenos roedores, além de girinos e peixes. As frutas podem vir de árvores, vinhas, cactos ou das mãos de humanos. Bem-te-vis são ousados o suficiente para roubar a ração de cães e gatos quando deixada ao ar livre.

Os bem-te-vis são monogâmicos, ou seja, permanecem com o mesmo parceiro ao longo da vida. O macho e a fêmea trabalham juntos para construir o ninho, reunindo materiais como gramíneas, gravetos e musgos; em áreas urbanas, também podem usar objetos como fios, papel e plástico. Às vezes, eles roubam os materiais do ninho de outros pássaros. Bem-te-vis não constroem sua moradia em áreas de mata fechada. Eles preferem árvores localizadas na margem de bosques e florestas, normalmente perto de clareiras ou corpos de água, como lagos e rios. Nas cidades, muitas vezes essas aves formam seus ninhos no topo de postes de luz ou de semáforos.

Bem-te-vis são agressivos e não se sentem facilmente intimidados. Eles enfrentam macacos, cobras, aves de rapina e outros animais que tentam destruir seu ninho ou invadir seu território. As fêmeas põem de dois a cinco ovos, cujo período de incubação varia entre 15 e 22 dias. Os filhotes nascem de olhos fechados, praticamente sem plumagem nenhuma, e dependem dos pais para se alimentar.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.