O bisão é o maior mamífero terrestre da América do Norte e da Europa. Existem duas espécies, ou tipos, de bisão: o americano e o europeu. O animal que se costuma chamar de búfalo-americano é, na verdade, o bisão. O verdadeiro búfalo é de um grupo diferente de animais, encontrado na África e na Ásia. O bisão é parente próximo do búfalo, do gado bovino e do iaque. O bisão europeu também é chamado de wisent.

Onde vive o bisão

Dezenas de milhões de bisões americanos povoavam as planícies do oeste da América do Norte, em áreas que hoje pertencem ao Canadá e aos Estados Unidos. Eles eram animais importantes para os povos indígenas da região. O bisão europeu vivia inicialmente em toda a Europa. Ao longo do tempo, colonos e caçadores americanos e europeus mataram milhões de bisões. No início do século XX, tanto o bisão europeu como o americano estavam entre as espécies ameaçadas de extinção. Várias pessoas se mobilizaram para preservar esses animais.

Hoje, o bisão americano é encontrado principalmente em áreas protegidas, como parques nacionais, e não está mais ameaçado de extinção. O mesmo não acontece com o bisão europeu, que continua em risco. Um pequeno número desses animais pode ser encontrado no leste europeu, especialmente na Polônia, na Bielo-Rússia, na Ucrânia e na Rússia.

Características físicas

O bisão é um animal grande e poderoso. O macho adulto do bisão americano pode ter 2 metros de altura e pesar até 900 quilos. As fêmeas são menores. O bisão europeu é um pouco maior do que o americano, mas não é tão pesado.

O bisão tem cabeça grande, corcova e dois chifres curtos e curvados para cima. Além disso, possui cascos nas quatro patas e pelos ásperos e marrons. O pelo normalmente é mais longo na cabeça, no pescoço e nos ombros.

Comportamento

O bisão come principalmente capim. Em geral, move-se lentamente, mas se necessário pode correr à velocidade de 65 quilômetros por hora. O bisão costuma viver em grupos pequenos. Às vezes, porém, dúzias ou até centenas de grupos se juntam, formando grandes rebanhos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.