A maioria dos animais alimenta-se ingerindo comida pela boca, que é a abertura inicial do sistema digestório. Este é formado por diferentes órgãos, responsáveis por quebrar o alimento e transformá-lo em energia para o organismo.

No homem e em muitos outros animais, a boca é a estrutura onde o alimento é mastigado e misturado com um líquido claro chamado saliva. Ela é também uma das vias pelas quais o ar entra no organismo. Além disso, é por ela que falamos e fazemos certas expressões faciais.

A boca humana

A boca é formada por diversas partes. Os lábios circundam a parte externa da boca. A parte interna das bochechas forma as laterais da boca e o assoalho forma o fundo. A saliva chega à boca por pequenos canais situados no assoalho sob a língua e nas bochechas. O céu da boca, ou palato, é a parte superior da boca, formada por duas partes. A da frente é constituída de osso e músculo e se chama palato duro, e a de trás tem apenas músculo e se chama palato mole. A pequena formação carnosa que pende do palato mole, na parte de trás da boca, é denominada úvula.

Atrás dos lábios estão os dentes, que crescem em duas fileiras, nas partes superior e inferior da boca. Os dentes são usados para mastigar os alimentos antes de ser engolidos. As gengivas seguram os dentes e os ligam ao osso maxilar. A língua ajuda a controlar a comida durante a mastigação e auxilia na formação de fonemas e na percepção do paladar.

A boca de outros animais

Cada animal tem boca com formato e estrutura diferentes, os quais determinam os alimentos que fazem parte de sua dieta. O tamanduá tem boca pequena, em forma de tubo e sem dentes. Ele usa a língua comprida para capturar insetos, como formigas, por exemplo. A boca dos pássaros é envolvida por um bico duro, e os insetos possuem peças bucais ao redor da boca, que variam de acordo com seus hábitos alimentares. Os gafanhotos têm mandíbulas para mastigar plantas. Já as peças bucais das borboletas e mariposas são semelhantes a um canudinho, para sugar o néctar das flores.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.