As bombas são armas usadas para matar pessoas e causar destruição. As bombas são feitas para explodir. Elas podem ser lançadas de aeronaves, disparadas por foguetes, jogadas com a mão ou colocadas ao lado de um alvo e detonadas mais tarde.

As partes de uma bomba

Basicamente, uma bomba é um invólucro repleto de material explosivo, que geralmente é uma mistura de substâncias químicas. Uma parte chamada detonador inflama o material explosivo. Existem vários tipos de detonadores. Alguns fazem a bomba explodir quando ela atinge alguma coisa. Outros detonadores fazem a bomba explodir depois de um certo tempo.

As bombas voadoras têm estabilizadores ou asas para mantê-las estáveis. As chamadas bombas inteligentes possuem um sistema que permite que sejam guiadas a distância.

Tipos de bomba

Os exércitos e outras forças militares usam vários tipos de bombas. As bombas de demolição destroem construções com uma explosão poderosa. As bombas de fragmentação, quando explodem, se dividem em muitos fragmentos metálicos pequenos que se projetam em alta velocidade, com o propósito de matar pessoas. As bombas de finalidade geral são um misto de bombas de demolição e de fragmentação. As bombas perfuradoras de blindagem são pesadas e pontudas e são usadas por exércitos para atacar alvos protegidos. As bombas incendiárias provocam incêndios com altas temperaturas. As bombas lança-granadas contêm muitas bombas pequenas.

Criminosos e terroristas às vezes fabricam e usam suas próprias bombas. Elas podem ser mais simples que as bombas empregadas por exércitos, mas ainda assim ser altamente destrutivas. Entre elas estão os carros-bomba, as cartas-bomba e bombas improvisadas com material explosivo colocado dentro de canos.

As bombas nucleares são as mais poderosas de todas. Existem dois tipos de bombas nucleares: as bombas atômicas e as bombas termonucleares (ou de hidrogênio). A força tremenda dos dois tipos se deve a reações que ocorrem nos núcleos, ou centros, de átomos (os átomos são as partículas básicas minúsculas que compõem tudo o que existe). A energia liberada destrói quase tudo por quilômetros em volta do lugar onde a bomba nuclear cai.

História

As primeiras bombas foram granadas, artefatos pequenos atirados manualmente. Os soldados começaram a usar granadas no século XV. Com o tempo foram desenvolvidas outras armas, mais precisas. Mas as granadas continuam a ser usadas até hoje.

Após a invenção dos aviões, no início do século XX, os exércitos começaram a utilizá-los para atirar bombas. Na Primeira Guerra Mundial, os aviões de bombardeio não conseguiam transportar muitas bombas de uma vez. Na Segunda Guerra Mundial (1939-45), porém, isso já tinha mudado. Os aviões eram capazes de carregar bombas maiores, em número muito maior. Foi durante essa guerra que cientistas desenvolveram a bomba atômica. A guerra terminou pouco depois de os Estados Unidos atirarem bombas atômicas sobre duas cidades do Japão, Hiroshima e Nagasaki. As bombas provocaram devastação tremenda e mataram mais de 100 mil pessoas.

Os Estados Unidos testaram a primeira bomba de hidrogênio em novembro de 1952. Mais tarde, vários outros países desenvolveram bombas nucleares próprias.

Nas décadas de 1980 e 1990, muitas pessoas temiam que outros países pudessem fazer uso de armas nucleares. Os líderes de países que possuíam essas armas começaram a conversar sobre maneiras de controlar as armas. Eles chegaram a um acordo para limitar a produção, os testes e o uso de armas nucleares. Em 1996, representantes de cerca de 60 países assinaram um acordo para pôr fim a todos os testes com armas nucleares. O acordo foi chamado Tratado para a Proibição Completa dos Testes Nucleares, aprovado pelas Nações Unidas.

Nas guerras atuais, os exércitos ainda empregam bombas de tipo tradicional. Contudo, novas invenções possibilitaram direcionar as bombas com precisão maior. Por essa razão, os exércitos não usam tantas bombas quanto usavam no passado.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.