A bruxa é uma figura típica do folclore europeu, em geral representada por uma mulher feia e má que faz feitiços maléficos. O mito da bruxa foi trazido para o Brasil pelos portugueses. No Sul, veio com os açorianos (portugueses do arquipélago dos Açores), que fundaram Florianópolis e Porto Alegre.

Existem pessoas que acreditam em bruxa. Elas dizem que noite de lua cheia é noite de bruxa e, para que ela não entre em casa, colocam sal grosso na soleira da porta. Segundo elas, uma das táticas empregadas pelas bruxas é o “olho gordo”, ou mau-olhado, que faz secar plantações e adoecer pessoas e animais.

Nos contos de fadas, a bruxa é personagem comum: ela tem poderes especiais como a fada, mas os usa para o mal. Nas histórias, a bruxa costuma voar montada numa vassoura e fazer poções mágicas num caldeirão bem grande. Uma das personagens mais famosas dos contos de fada é a bruxa Malévola, da história “A Bela Adormecida”.

Entre os séculos XV e XVIII, na Europa, as curandeiras, benzedeiras e parteiras, que tratavam as pessoas numa época em que quase não existiam médicos, eram acusadas de serem bruxas. Muitas dessas mulheres foram condenadas à morte na fogueira pela Inquisição (tribunal da Igreja Católica).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.