O centrossauro era um dinossauro herbívoro de grande porte. Seu nome significa "lagarto de ponta afiada”. Pode ser classificado como membro da família de ceratopsídeos, formada por enormes dinossauros com chifres. Eles pertencem à ordem dos ornitiquianos, ou dinossauros com bacia semelhante à das aves.

Quando e onde viveu o centrossauro

Este dinossauro viveu na América do Norte durante o período Cretáceo, cerca de 65 a 98 milhões de anos atrás.

Características físicas

O centrossauro andava sobre as quatro patas. Parecia um pouco como um rinoceronte moderno, com um chifre longo e curvo em seu nariz. Uma grande placa de osso em forma de folho se estendia na parte de trás da cabeça e no pescoço. Dois chifres apontavam para frente por trás do folho, com pequenos espinhos nas bordas. Os chifres podem ter sido usados para atrair parceiros ou desafiar outros dinossauros pelo território. O centrossauro tinha um bico grande, desdentado, com uma cobertura áspera. O bico e as mandíbulas com dentes posteriores eram movidos por músculos fortes. Seus dentes estavam bem adaptados para mastigar e triturar os vegetais duros.

As pernas do centrossauro eram robustas e fortes. As patas da frente tinham cinco dedos e as patas posteriores tinham quatro dedos totalmente desenvolvidos e um dedo pequeno. Na ponta dos dedos das patas, as garras tinham um aspecto similar a cascos de cavalo. Os dedos estavam separados, e os cientistas pensam que o centrossauro andava sobre dedos, em vez de no seu pé inteiro. A cauda era leve e relativamente curta, e não tocava o chão.

Comportamento

O grupo de fósseis de centrossauro achados no vale do rio Red Deer, na província canadense de Alberta, sugerem que este dinossauro pode ter pastado e viajado em rebanhos. Alguns cientistas presumem que, ante o perigo, os centrossauros se agrupavam de forma que os machos adultos ficavam à frente e os filhotes no meio. Eles podem ter usado seus chifres, particularmente o chifre no focinho, para a defesa.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.