A água tem três formas: líquida, sólida (em forma de gelo) e gasosa (em forma de vapor). A chuva é a forma líquida da água que cai em gotas do céu.

A chuva abastece lagos, lagoas, rios e riachos, fornecendo a água fresca necessária à sobrevivência dos seres humanos, dos animais e das plantas. O excesso de chuva, porém, pode causar inundações perigosas.

Formação da chuva

A chuva faz parte do infinito ciclo da água da Terra. No início do ciclo, a luz solar aquece a água na superfície do planeta. O calor faz a água evaporar, ou seja, virar vapor, que se eleva no ar. À medida que esfria, o vapor de água volta ao estado líquido em forma de gotículas. As gotículas se formam em torno da poeira e de outras partículas por meio de um processo chamado condensação.

As nuvens se formam a partir de uma grande quantidade dessas gotículas. Em uma nuvem, elas se juntam com outras gotinhas formando gotas maiores de água. Por fim, as gotas ficam pesadas demais para continuar na nuvem e caem como chuva na Terra. Assim recomeça o ciclo da água.

Às vezes, as gotas de água congelam e viram cristais de gelo nas nuvens. Os cristais de gelo podem derreter enquanto caem em direção do solo. Essa é outra maneira pela qual a chuva se forma.

Onde a chuva cai

A chuva cai em quase todos os lugares da Terra. Um dos lugares mais chuvosos do mundo é o monte Waialeale, no Havaí, onde chove cerca de 350 dias por ano, totalizando 1.170 centímetros anuais de chuva. Um dos lugares mais secos da Terra é o deserto de Atacama, no Chile, que recebe menos de 0,1 centímetro de chuva por ano. Há séculos não chove em algumas partes desse deserto.

Chuva ácida

A chuva lava a poeira e a sujeira do ar. Mas nem sempre a chuva é pura. Às vezes, substâncias químicas poluentes expelidas por carros, fábricas e usinas elétricas ficam presas nas nuvens. A chuva proveniente dessas nuvens contém essas substâncias químicas nocivas. Essa chuva poluída, conhecida como chuva ácida, pode fazer mal a plantas, animais, pessoas e propriedades.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.