As cobras são répteis de corpo longo e esguio, sem pernas nem braços. São parentes próximas dos lagartos. Existem cerca de 2.900 espécies, ou tipos, de cobra. As mais conhecidas são as najas, as víboras, as jiboias e as pítons.

Onde vivem as cobras

As cobras podem ser encontradas no mundo todo, exceto nas regiões perto dos polos Norte e Sul. Nos trópicos, porém, está a maior variedade. A maioria das cobras vive no solo, mas outras preferem as árvores. Algumas passam a vida inteira em túneis subterrâneos. As cobras marinhas vivem na água.

Características físicas

As cobras são animais vertebrados, ou seja, possuem espinha dorsal, ou coluna vertebral. Sua coluna é longa e flexível. Elas crescem a vida inteira. A maior cobra é a píton, que pode chegar a 10 metros de comprimento. A sucuri, que também é gigante, costuma ser um pouco menor, porém mais pesada.

As cobras são cobertas por fileiras de escamas. As escamas são dobras endurecidas da parte externa da pele. Uma escama pode ser brilhante e lisa, ou pode ser rugosa. A cobra sofre mudas, ou trocas de pele, diversas vezes na vida.

As cobras não possuem orelhas nem pálpebras. Escamas transparentes cobrem os olhos. A boca das cobras se abre amplamente porque as mandíbulas superior e inferior se separam. A maioria das cobras possuem dentes longos, em forma de agulhas curvas. Algumas, como as najas e cascavéis, têm um longo par de dentes anteriores ou posteriores, chamados presas. A língua das cobras é bifurcada.

Comportamento

As cobras comem camundongos, ratos, pássaros, sapos, peixes, insetos, lagartos, ovos e, às vezes, outras cobras. A maioria das cobras engole suas vítimas pela cabeça. As presas podem ser engolidas mortas ou vivas. Jiboias, pítons e sucuris são chamadas de constritoras. Elas se enrolam em volta da vítima e constringem, ou apertam, o animal até a morte, antes de engoli-lo. Víboras e najas matam suas presas injetando-lhes peçonha, ou veneno, através de seus dentes.

Sem ouvido, as cobras são praticamente surdas, mas podem sentir a aproximação da presa pela vibração do solo. Elas enxergam bem e vibram a língua para “sentir” o ar, o que lhes fornece informações do ambiente. As cobras não têm voz; no entanto, podem emitir silvos, fazendo o ar passar por uma abertura na boca.

A coloração da cobra pode protegê-la de inimigos. Algumas cobras disfarçam-se no ambiente; por exemplo, as que vivem em árvores são de cor verde-brilhante e se parecem com ramos de videira. As cores vivas de algumas cobras servem para avisar seus predadores de que são venenosas.

As cobras são animais de sangue frio. Isso significa que a temperatura de seu corpo muda de acordo com a temperatura do ambiente. Para sobreviver aos frios invernos, algumas cobras se escondem e ficam inativas por meses. É como a hibernação dos mamíferos.

Locomoção

As cobras se locomovem empurrando as dobras da pele na parte inferior do corpo contra o solo. O corpo move-se em forma de “S”. Algumas cobras grandes, como as jiboias, movem-se em linha reta. Elas se arrastam da mesma forma que as lagartas ou as taturanas. Outras movimentam-se curvando-se e estendendo-se, como um acordeão. Muitas cobras do deserto movem-se pulando para os lados na areia.

Ciclo de vida

A maioria das cobras passa a maior parte do ano sozinhas. Algumas juntam-se para o acasalamento e a hibernação. Em geral as cobras botam ovos, mas algumas dão à luz os filhotes. O número de filhotes varia de três a cinquenta. Ao nascer, um filhote se parece com a cobra adulta. Em cativeiro, as cobras podem viver até trinta anos, mas na natureza sua vida não é tão longa.

As cobras e os seres humanos

Muitas pessoas acham as cobras assustadoras e perigosas. Porém uma cobra só pica uma pessoa quando se sente ameaçada. Além disso, elas comem camundongos e ratos, que são considerados pragas. As cobras são caçadas por sua pele e por sua carne. Algumas são capturadas e vendidas como animais de estimação.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.