O concreto é muito forte e duradouro, por isso é o material de construção civil mais utilizado no mundo. Ele pode ser moldado em quase todas as formas e é usado para fazer pistas de rolamento, estradas, pontes, elementos estruturais de construção, como pilares e vigas, e até edifícios inteiros.

Como é feito o concreto

Um dos principais ingredientes é um pó fino chamado cimento, que é misturado com areia, cascalho e água para formar o concreto. A água e o cimento formam uma pasta densa que liga a areia e o cascalho. A água também gera uma reação química que faz a mistura secar e endurecer. Antes de secar, o concreto é despejado em formas para dar origem a elementos como blocos, tijolos, lajes planas e arcos. Depois de seco, o concreto dura muito tempo.

Vantagens

O concreto não queima quando atingido pelo fogo. Se necessário, outras substâncias podem ser adicionadas para torná-lo mais resistente ao calor, à água e a produtos químicos. É possível fabricá-lo leve ou pesado, dependendo de como ele será aplicado. Alguns tipos de concreto endurecem até debaixo da água.

Quando é feito com armações metálicas internas, chama-se concreto armado. Quando tem cabos de aço de alta resistência tracionados e fixados em seu interior, é chamado de concreto protendido. Esses tipos de concreto são mais fortes do que o concreto comum. Eles suportam cargas pesadas e permitem o uso de técnicas mais elaboradas, sendo empregados para construir estradas, pontes e edifícios muito altos.

História

O concreto é conhecido há muito tempo. Há milhares de anos os antigos babilônios, da Mesopotâmia, usavam barro para manter ligados a areia e o cascalho. Os antigos romanos usavam cinzas de vulcão para fazer o concreto. Misturadas com água, as cinzas funcionavam como cola, da mesma maneira que o cimento moderno. Eles usavam o material para construir anfiteatros, aquedutos e pontes. No século XIX, o cimento foi inventado e tornou-se o principal ingrediente do concreto.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.