Contar histórias é uma atividade que ocupa a imaginação humana há milhares de anos. Gente de todos os lugares conta histórias para divertir, ensinar, relembrar ou apenas passar o tempo. As pessoas começaram a contar histórias muito antes de a escrita ter sido inventada. As histórias de hoje também são escritas em livros de ficção e representadas em filmes, em programas de televisão, em quadrinhos e em jogos. Mesmo assim, todos os povos do mundo mantêm a tradição de contar histórias oralmente.

Tradição oral

Antes da invenção da escrita, o ato de contar histórias era o jeito mais importante de passar uma informação adiante. Tudo o que uma cultura necessitava preservar — suas crenças, sua história e suas tradições — tinha de ser contado oralmente. Cada geração deveria contar as histórias de sua cultura para a geração seguinte. O conhecimento transmitido desse modo, de uma pessoa para outra, é chamado de tradição oral. Mesmo as culturas que usam a escrita mantêm a tradição oral para passar certas informações.

Em algumas culturas, todos podiam passar as histórias adiante. Em outras, somente contadores de história especiais tinham essa tarefa tão importante. Os melhores contadores de histórias tinham que ter ótima memória. Eles arranjavam maneiras de contar suas narrativas de um jeito interessante. Isso ajudava a reforçar a ideia de que as pessoas deveriam ouvir as histórias e lembrar-se delas. Alguns contadores cantam suas histórias ou as narram em forma de poesia. Melodia, ritmo e rimas podem tornar as histórias bem mais fáceis de ser relembradas.

Na literatura de cordel, tradicional do Nordeste brasileiro, as histórias nascem como poemas cantados. O cordelista vai inventando e cantando seus versos, de forma rimada e cadenciada.

Na África ocidental, os griôs são os mestres da arte das palavras. Os griôs dizem que representam a memória dos homens. Eles são narradores, cantores e músicos responsáveis pela transmissão oral das tradições de seu povo.

As histórias vão mudando com o tempo, conforme diferentes pessoas as recontam. Um contador pode mudar uma história com o intuito de aprimorá-la, ou pode inventar algumas partes simplesmente porque não se lembra do conto inteiro. A expressão “quem conta um conto aumenta um ponto” representa esse fato — a cada vez que uma história é repetida, novos detalhes podem ser acrescentados.

Diferentemente da literatura escrita, a tradição oral não é criada por uma única pessoa. Em vez disso, todos os membros de determinada cultura ajudam a moldar as histórias. Às vezes, elas são coletadas e escritas muito depois de terem sido inventadas. Os poemas épicos Ilíada e Odisseia, que narram os acontecimentos históricos durante e depois da Guerra de Troia, provavelmente só foram escritos séculos depois de terem sido recitados pela primeira vez. Homero, um poeta da tradição oral da Grécia antiga, é considerado o autor dessas obras, por ter sido o principal organizador das histórias.

Tipos de narrativa

Desde os tempos mais antigos, as histórias assumem diferentes formas. As que falam sobre os deuses e as crenças, chamadas de mitos, são relacionadas à religião.

Os mitos são as explicações que diferentes povos dão para a origem do mundo. Mitos podem explicar também como as pessoas foram criadas, por que chove ou por que existe o mal no mundo.

Contos populares ou folclóricos são outra forma de história que surge em diversas culturas. Eles podem ser muito similares aos mitos. Essas narrativas podem ser engraçadas, causar medo ou contar uma aventura. Alguns contos folclóricos falam sobre heróis poderosos; outros são histórias de trapaceiros espertos. Há ainda aqueles que trazem bruxas, ladrões, fantasmas, caipiras, animais que falam ou gente comum. Um exemplo de histórias cheias de aventura, paixão e mistério é a coleção das Mil e uma noites, em que a bela personagem Xerazade “curou” o coração do sultão. Os contos foram publicados entre os séculos XIII e XVI no Oriente Médio.

Quadrinhas e cantigas infantis, fábulas, contos de fadas, parlendas e outras brincadeiras com as palavras também fazem parte das narrativas folclóricas de um povo.

A fábula é uma história curta que ensina uma lição sobre como as pessoas devem se comportar. Geralmente, tem um personagem animal, que fala e age como uma pessoa. Os contos de fadas falam sobre seres mágicos como fadas, bruxas, dragões e duendes, entre outras criaturas fantásticas. Brincadeiras com as palavras, como as parlendas ou os trava-línguas, são um jeito de entreter as crianças com versos curtos. As pessoas recitam esses versos há séculos e séculos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.