Contos populares (ou folclóricos) são narrativas passadas de geração em geração. Elas não têm autor conhecido. Cada história é aumentada e modificada à medida que vai sendo repetida. A autoria é atribuída ao povo — folk, em inglês. Daí se origina a palavra folclore. Muitos contos populares são bastante antigos. Passando de boca em boca, não eram escritos. Mantinham-se vivos graças à memória dos contadores de histórias.

Autores modernos podem escrever suas próprias versões de contos de fadas e fábulas. Outros contos populares nascidos na tradição oral passaram depois para os livros. É o caso do conjunto de histórias das Mil e uma noites, repetidas há muitos séculos pelos contadores de histórias do Oriente Médio e de regiões vizinhas. Personagens desses contos, como Aladim, Ali Babá e Simbad, o Marujo, se tornaram conhecidos no mundo inteiro por meio de livros, revistas em quadrinhos e desenhos animados.

Temas

Os contos populares abordam vários aspectos da vida. Podem falar de alegrias e tristezas, animais e seres mágicos, heróis e vilões. Podem ser cômicos, satíricos ou empolgantes. Podem divertir, dar bons exemplos ou tentar explicar coisas que as pessoas não entendem. Os mitos são parecidos com os contos folclóricos, pois contam histórias tradicionais sobre as crenças que os membros de uma mesma cultura têm sobre a vida.

Diferentes culturas contam histórias diferentes. Contudo, os mesmos temas surgem em contos populares de lugares distantes. Por exemplo, histórias sobre a vitória da inteligência sobre a força são comuns no oeste da África, na América e em outras partes do mundo. Essas histórias em geral envolvem animais menores que usam a esperteza para derrotar adversários mais poderosos.

Histórias de heróis também são muito comuns em várias culturas. Contos heroicos ajudam a unir as pessoas e fazê-las lembrar o passado comum. O rei Artur e os cavaleiros da Távola Redonda são heróis de muitas lendas francesas e inglesas.

Fábulas

Fábula é um tipo de conto popular que ensina uma lição (a moral da história). As fábulas geralmente têm como personagens animais que falam e se comportam como pessoas. Assim, revelam as tolices ou a sabedoria dos homens. Por exemplo, “Os três porquinhos” mostra a importância do trabalho benfeito: a casa do porquinho que mais se esforçou durante a construção é a única que resiste aos ataques do lobo.

Algumas das mais antigas fábulas têm origem na Índia e na Grécia. Muitas das que hoje conhecemos foram criadas por Esopo, contador de histórias nascido na Grécia por volta do ano 620 a.C.

Contos de fadas

Contos de fadas são histórias folclóricas nas quais acontecem coisas mágicas. Com freqüência um personagem jovem encontra criaturas fantásticas como fadas, bruxas, gigantes ou dragões. Histórias como “Cinderela”, “Chapeuzinho Vermelho” e “A Bela Adormecida” surgiram como contos folclóricos. Dois autores alemães, os irmãos Grimm, coletaram e escreveram muitas histórias de fadas no século XIX. Outros escritores, como Hans Christian Andersen, criaram seus próprios contos de fadas.

Os contos populares brasileiros

No Brasil, alguns contos populares foram trazidos pelos europeus, particularmente da península Ibérica. É o caso das histórias do personagem Pedro Malasartes, um astuto herói popular cheio de artimanhas. Outros contos brasileiros se originaram nas lendas e mitos dos povos indígenas e dos escravos africanos. As histórias do boto, da Iara, do curupira, do saci, do Cobra Norato e do menino do pastoreio são só alguns exemplos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.