O dragão-de-komodo é o maior lagarto vivo. Um feroz predador, este réptil pode matar uma presa do tamanho de um búfalo-asiático. Também pode atacar seres humanos.

Onde vivem os dragões-de-komodo

Na natureza, os dragões-de-komodo vivem nas Pequenas Ilhas de Sonda na Indonésia. O nome desse animal tem origem em Komodo, uma dessas ilhas. Há milhares de dragões-de-komodo na Indonésia. Eles são protegidos por lei. Alguns zoológicos do mundo têm dragões-de-komodo em cativerio.

Características físicas

O dragão-de-komodo é um tipo de lagarto-monitor. Como outros monitores, tem uma cabeça afilada e pescoço comprido, corpo pesado e uma longa cauda. Mas o dragão-de-komodo é maior que os outros lagartos. Pode chegar a 3 metros de comprimento. Alguns machos pesam mais de 135 quilos.

A pele de um dragão-de-komodo é escamosa e de cor cinzenta e marrom. A língua é amarelada e bifurcada (dividida em dois na ponta). Como uma cobra, o lagarto estica e recolhe a língua para obter informação do que acontece à sua volta, como um sensor.

Comportamento

Os dragões-de-komodo podem correr a uma velocidade de 20 quilômetros por hora. Também são bons escaladores e nadadores.

Esses lagartos geralmente comem carniça ou animais que já morreram. Mas também se escondem pelas trilhas, esperando atacar o gado, cervos, porcos e outros animais que passam por este caminho. Os adultos até mesmo caçam dragões-de-komodo menores. Eles usam os dentes pontudos e curvados e as patas para morder e dilacerar a sua presa. Às vezes esperam até a presa morrer para então comê-la. Os cientistas costumavam pensar que bactérias mortíferas na saliva do dragão-de-komodo envenenava o sangue de suas presas. Mas depois eles descobriram que o veneno é produzido na boca do lagarto.

Ciclo de vida

A fêmea do dragão-de-komodo põe ovos em covas profundas. Os ovos eclodem em abril ou maio. O lagarto recém-nascido tem cerca de 45 centímetros de comprimento. Eles vivem em árvores por muitos meses. Os dragões-de-komodo podem viver até 30 anos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.