Educação é o processo formativo que se desenvolve na vida familiar, nas instituições de ensino, na convivência humana, no trabalho, nos movimentos sociais, nas organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. A educação escolar se desenvolve, principalmente, por meio do ensino formal em instituições próprias. Pode também acontecer em casa ou com professores particulares; nesse caso, é chamada de educação informal. (Legalmente, no entanto, a educação informal não substitui a instrução na escola.)

Educação formal

A educação formal deve se vincular ao mundo do trabalho e à prática social. Os níveis de educação formal variam conforme os países. No Brasil, a educação escolar compõe-se da educação básica — que engloba a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio — e da educação superior. A lei brasileira garante o direito a vaga na escola pública de educação infantil ou de ensino fundamental mais próxima da residência a toda criança a partir do dia em que ela completar 4 anos de idade. Mas a obrigação de ir à escola começa só aos 6 anos. Aí, é dever dos pais providenciar a matrícula dos filhos no ensino fundamental. São nove anos de estudo para completar esse ciclo. Depois vem o ensino médio, com mais três anos de estudo. Essa fase pode também ter o caráter de formação técnica, em que o aluno já se capacita para o exercício de alguma profissão específica. Depende da escolha dos pais – e, muitas vezes, de sua condição econômica – matricular os filhos em escolas públicas (gratuitas) ou particulares (pagas).

Concluído o estudo nessa fase, do ensino médio, muitos alunos prosseguem fazendo cursos profissionalizantes ou vão para cursos universitários, em faculdades estaduais ou federais (gratuitas) ou particulares (pagas).

O aperfeiçoamento e o aprendizado contínuo, ao longo da vida, são buscados por muitas pessoas, como forma de atualização do conhecimento e de maior valorização no mercado de trabalho. Há os cursos presenciais, que exigem a presença do aluno na sala de aula, e os cursos à distância, aos quais os alunos têm acesso ou pela internet ou por meio de material recebido pelo correio. Os sistemas de avaliação e aprovação nesses cursos são diferenciados.

História

Antigamente as crianças eram educadas diretamente pelos pais e outros adultos, em casa. Elas aprendiam, sobretudo, habilidades importantes para a sobrevivência. Os adultos transmitiam esses conhecimentos por meio da linguagem oral. Com a conquista da escrita pelos povos de diferentes culturas, a transmissão do conhecimento foi ganhando outras formas. Foram criadas as escolas onde se ensinava a ler e a fazer contas com a aritmética, além de outras matérias.

A maioria das primeiras escolas era apenas para meninos de famílias ricas e poderosas. A finalidade de muitas dessas escolas era dar instrução religiosa, pois em muitas culturas os líderes religiosos ocupavam o nível mais alto da sociedade. Outras escolas, por sua vez, enfocavam o treinamento militar. Alguns jovens frequentavam escolas especiais para aprender a arte de discursar em público, o que era útil para que se tornassem futuros líderes.

A maioria das meninas recebia educação apenas em casa e aprendia a cozinhar e a costurar, além de outras habilidades úteis. O ensino de música, junto ao aprendizado de algum instrumento, também era dirigido mais às meninas.

Com o decorrer do tempo, a educação passou a ser acessível a mais pessoas, não só aos ricos e poderosos. Os governos de alguns países criaram sistemas públicos de educação no século XIX e mais escolas passaram a aceitar meninas. Surgiram os chamados colégios internos, para onde as crianças e jovens eram mandados e onde viviam praticamente reclusos, saindo só de vez em quando para visitas à casa dos pais.

No século XX, a educação formal passou a utilizar notas e provas como medidas rotineiras de avaliação. Como a educação ganhou importância para a sociedade, surgiram faculdades para formar professores. Os requisitos para se tornar professor ficaram mais rígidos e essa profissão ganhou muito respeito.

Ter conhecimento é ter poder. O acesso à educação é uma garantia constitucional na maioria dos países.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.