A enguia é um peixe que parece uma cobra. Há centenas de espécies diferentes de enguia, e todas pertencem à ordem dos peixes anguiliformes.

Onde vive a enguia

Muitas espécies de enguia vivem em mares e oceanos quentes. Moreias e congros são dois tipos conhecidos de enguia marinha. Em quase todos os continentes, as enguias de água doce vivem em rios e lagos grandes e pequenos, e têm de viajar até a água salgada para se reproduzir.

Características físicas

O tamanho das enguias adultas varia entre 10 centímetros e 3,5 metros. Sua cabeça é pontuda e muitas têm boca larga e dentes afiados. Uma nadadeira acompanha o dorso e envolve a ponta da cauda. Em geral, seu corpo é liso. Enguias que vivem nas profundezas do mar costumam ser pretas ou cinzentas. As que vivem em recifes tropicais podem ter cores e padrões coloridos.

Comportamento

Muitas espécies de enguia se escondem na lama ou em meio a rochas durante o dia. À noite, saem para caçar alimentos como camarões, peixes, mexilhões, lesmas e vermes.

Em geral a enguia vive sozinha, mas as chamadas enguias-de-jardim vivem em colônias de centenas de indivíduos. Todas as enguias cavam túneis individuais no piso arenoso do oceano, onde se escondem.

Como outros peixes, as enguias respiram através de guelras. As enguias de água doce, porém, também podem absorver oxigênio através da pele, o que permite sua movimentação em terra.

Ciclo de vida

Ovos com larvas de novas enguias eclodem no oceano. As larvas são lisas e transparentes e, após um período de crescimento, passam por metamorfose. Essa série de mudanças as transforma em filhotes que parecem miniaturas de enguias adultas.

Após atingir o estágio adulto, elas estão aptas para o acasalamento. A maioria das espécies migra para uma certa área para se acasalar e botar ovos. Enguias de água doce da América do Norte e da Europa entram pelo oceano e nadam muitos quilômetros até o mar de Sargaços, uma parte do oceano Atlântico a nordeste das Antilhas, para a procriação.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.