Através da exploração do espaço, os seres humanos descobriram muitas coisas sobre os planetas, as estrelas e outros corpos espaciais. Mais de 5 mil naves espaciais foram lançadas ao espaço desde 1957 — entre elas, naves com pessoas a bordo, sondas espaciais e satélites. Originalmente, a União Soviética (atual Rússia) e os Estados Unidos eram os principais países a explorar o espaço. Hoje, porém, muitos outros países também participam desse esforço.

Astronautas

Os astronautas (chamados cosmonautas na Rússia e taiconautas na China) passam por um programa de treinamento intensivo e extenso. Eles estudam matemática e ciência em salas de aula, além de aprender a operar as naves espaciais usando simuladores controlados por computadores. Esses aparelhos submetem os astronautas a condições físicas que, mais tarde, eles irão enfrentar nos voos espaciais de verdade. Os astronautas também precisam aprimorar a forma física e fazem voos em aviões especiais para se acostumar à sensação de ausência de peso.

Os seres humanos não são capazes de sobreviver no espaço da mesma forma que na Terra, pois são ambientes muito diferentes entre si. Por isso, viajam no espaço dentro de compartimentos hermeticamente fechados, levando seu próprio suprimento de oxigênio com eles. Uma vez que estão no espaço, os astronautas podem realizar experimentos científicos, fazer consertos em suas naves espaciais ou em outros equipamentos que estão no espaço. Para trabalhar fora das naves, eles usam pesados trajes especiais, que os protegem.

A corrida espacial

No século XX, cientistas desenvolveram foguetes capazes de deslocar-se a uma velocidade tão grande que eram capazes de romper a barreira natural colocada pela força da gravidade. Esse conhecimento permitiu à União Soviética lançar o primeiro satélite artificial, em 4 de outubro de 1957. O satélite, chamado Sputnik 1, entrou na órbita da Terra. Em 3 de novembro de 1957, a União Soviética colocou outra nave espacial em órbita e, dentro dela, uma cadelinha, chamada Laika. Em 12 de abril de 1961, Iuri Gagarin tornou-se o primeiro ser humano a orbitar a Terra no espaço e a ver nosso planeta de longe. Ele exclamou: “A Terra é azul!” Em 1963, a soviética Valentina Terechkova tornou-se a primeira mulher a chegar ao espaço.

A Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA), dos Estados Unidos, era o organismo responsável pelo esforço americano na conquista do espaço. O primeiro satélite americano foi lançado em 31 de janeiro de 1958. Em 5 de maio de 1961, o astronauta Alan B. Shepard Jr. tornou-se o primeiro americano a chegar ao espaço. Shepard voou por apenas quinze minutos e não fez uma volta em torno da Terra. Em 20 de fevereiro de 1962, John H. Glenn Jr. completou três voltas em torno do globo. Em junho de 1965, Edward H. White II, um membro da missão Gemini 4, foi o primeiro americano a deixar sua cápsula e executar uma atividade extraveicular (EVA) no espaço. Ele flutuou fora da Gemini 4 por cerca de 20 minutos. Em 20 de julho de 1969, o astronauta Neil Armstrong tornou-se o primeiro ser humano a pisar no solo da Lua. Ao pisar na superfície lunar, disse uma frase que ficou célebre: “Este é um pequeno passo para um homem, mas um enorme salto para a humanidade”.

Estações espaciais

As estações espaciais são naves que permanecem em órbita por um período longo. Cientistas podem passar dias ou até meses em uma estação espacial, fazendo experimentos. A União Soviética começou a lançar estações espaciais em 1971 e os Estados Unidos seguiram o exemplo dois anos mais tarde, mas essas estações não permaneceram por muito tempo no espaço. A estação soviética Mir foi a que alcançou a mais longa permanência em órbita, de 1986 a 2001.

Na década de 1990, os Estados Unidos e outros quinze países concordaram em construir e operar uma grande estação espacial juntos. O novo projeto ganhou o nome de Estação Espacial Internacional (EEI ou ISS, na sigla inglesa). Sua montagem começou em 1998. A primeira tripulação começou a viver na estação em novembro de 2000.

Ônibus espaciais

Os Estados Unidos lançaram em 1981 a primeira nave espacial reutilizável, conhecida como ônibus espacial. A seção principal do ônibus espacial possui asas e é chamada orbitador. Foguetes, tanques de combustível e tanques de oxigênio ficam presos ao orbitador e projetam a nave pela parte mais espessa da atmosfera terrestre. Quando seu combustível se esgota, os foguetes propulsores caem no oceano, onde podem ser recuperados. Ao final da missão, o orbitador retorna à Terra e aterrissa como um avião.

As primeiras missões de ônibus espaciais foram bem-sucedidas. A astronauta Sally Ride tornou-se a primeira mulher americana a ir ao espaço, em 18 de junho de 1983. Mas, em janeiro de 1986, o ônibus espacial Challenger explodiu 73 segundos depois de decolar, matando seus sete tripulantes. A NASA suspendeu o programa dos ônibus espaciais para estudar a causa da explosão.

Os Estados Unidos voltaram ao espaço em setembro de 1988, com o lançamento do ônibus espacial Discovery. Em 1990, o Discovery pôs o Telescópio Espacial Hubble na órbita da Terra. Esse telescópio envia imagens nítidas do espaço aos laboratórios da NASA. Em fevereiro de 2003, contudo, o ônibus espacial Columbia se desintegrou no momento em que reentrava na atmosfera terrestre. Seus sete tripulantes morreram. O programa de ônibus espacial só foi retomado em 2005.

Sondas espaciais

As sondas espaciais são veículos que transportam equipamentos científicos, mas não levam passageiros. Algumas sondas fazem viagens só de ida ao espaço distante. As sondas são controladas a partir da Terra, por rádio, e enviam suas descobertas de volta também por rádio.

No final dos anos 1950, a União Soviética e os Estados Unidos lançaram suas primeiras sondas espaciais. Algumas sondas acabaram pousando nos planetas Marte e Vênus e outras passaram pelos planetas Júpiter, Saturno, Urano e Netuno, coletando dados sobre as atmosferas, as luas e os sistemas de anéis dos planetas. No início dos anos 2000, cientistas enviaram várias sondas novas para explorar Marte e outros planetas e corpos espaciais.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.