Os foguetes são máquinas que produzem a força ou o impulso necessário para empurrar um objeto para a frente. São usados para lançar naves espaciais, além de servir para disparar mísseis e fogos de artifício.

Como funcionam os foguetes

Os foguetes carregam combustível, que é queimado dentro de uma câmara. O combustível queima quando é misturado ao gás oxigênio e acendido. Quando o combustível queima, emite gás quente, que sai por uma abertura na parte traseira da câmara. A força do gás, movendo-se para trás, empurra o foguete para a frente. Essa ação é conhecida como propulsão a jato.

Os motores de um avião a jato também empregam a propulsão a jato. Mas, diferentemente de um motor a jato, os foguetes carregam seu próprio suprimento de oxigênio, o que os torna valiosos no espaço, onde não existe oxigênio.

O combustível de foguetes pode ser líquido ou sólido. O ônibus espacial dos Estados Unidos usa foguetes de combustível líquido e sólido. Dois foguetes propulsores movidos a combustível sólido lançam o ônibus no espaço. Três foguetes com motores movidos a combustível líquido permitem que o ônibus espacial saia da órbita da Terra e depois reentre nela.

História

Os foguetes provavelmente foram inventados no século XIII, pelos chineses, que enchiam invólucros de bambu de pólvora para fazê-los. Eles usavam foguetes em cerimônias religiosas e como armas. No século XVIII, os foguetes foram aprimorados, passando a ser feitos de metal. Depois, foram empregados como armas em muitas guerras dos séculos XIX e XX, especialmente a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

No final do século XIX, um cientista russo chamado Konstantin E. Tsiolkovski teve a ideia de que os foguetes poderiam ser usados para viagens espaciais. Ele não construiu foguetes, mas suas ideias sobre eles se mostraram úteis. O engenheiro americano Robert H. Goddard construiu o primeiro foguete movido a combustível líquido em 1925. Em outubro de 1957, a União Soviética usou um foguete para lançar a primeira nave espacial, o Sputnik 1, em órbita em torno da Terra.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.