A impressão é o processo que permite fazer cópias de textos e imagens em papel. Com ela, a produção de livros tornou-se mais rápida e barata. Antes, eles eram feitos um por um, à mão. A invenção da máquina impressora e dos tipos móveis facilitou o processo. Modernos métodos de impressão por computador permitem a reprodução de centenas de páginas em poucos minutos. Essa tecnologia é usada para fazer livros, revistas, notas de dinheiro (papel-moeda), selos, mapas, cartazes e rótulos.

Métodos de impressão

A impressão eletrônica é hoje o sistema mais usado. É também conhecido como impressão por computador, ou digital. A página é criada na tela do computador por um redator, editor ou artista gráfico. A seguir, fotocopiadoras controladas por raio laser usam calor e tinta em pó para imprimir no papel a imagem ou o texto.

Muitos livros são impressos com o uso de chapas de impressão. Por esse método, a imagem de várias páginas é transferida para uma folha de metal ou plástico. Isso pode ser feito por computador ou manualmente. A placa é colocada na impressora, junto com papel e tinta. Ao ser acionada, a máquina faz o conteúdo gravado na chapa ser impresso nas folhas de papel.

Nas antigas chapas de impressão, todas as palavras e imagens eram montadas ao contrário, como se estivessem diante do espelho. Em algumas, a superfície de impressão ficava em alto-relevo. As partes mais altas recebiam a tinta e passavam texto e imagem para o papel. O método inverso também era usado: a placa era gravada em baixo-relevo. A tinta que ficava nos sulcos, em contato com a folha de papel, reproduzia o conteúdo da chapa.

As chapas de impressão usadas hoje são planas. Por um processo químico, a tinta adere só ao texto e à imagem que compõem as páginas. O conteúdo é então passado para uma superfície de borracha e só depois para o papel. Como a imagem é transferida duas vezes, texto e imagens não precisam ser gravados ao contrário na chapa inicial.

História

Por volta do ano 700 d.C., os chineses começaram a usar blocos de madeira entalhados para imprimir imagens e caracteres. Eles passavam tinta no bloco e depois o pressionavam contra o papel.

No século XV, na Alemanha, Johannes Gutenberg inventou o prelo, uma máquina de madeira que podia copiar páginas de texto. Gutenberg dispôs tipos móveis (letras invertidas feitas de metal) em uma armação semelhante a uma moldura ou forma. Ele compôs uma página de texto, passou tinta sobre ela e levou-a ao prelo, usando a máquina para pressionar uma folha de papel contra as letras cobertas de tinta. A partir dessa experiência bem-sucedida, tornou-se possível reproduzir textos e imagens em larga escala.

A invenção da imprensa pôs fim à era dos livros copiados à mão, que eram caros e raros. Impressos, eles se tornaram acessíveis a um número crescente de pessoas, difundindo o conhecimento e criando uma verdadeira revolução na comunicação. A invenção da imprensa também possibilitou o surgimento dos jornais.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.