O povo ioruba é um dos maiores grupos étnicos da Nigéria, um país africano, somando mais de 20 milhões de indivíduos no início do século XXI. Vivendo em grande parte a sudoeste do país, há alguns grupos pequenos espalhados em Benin e ao norte de Togo. Muitas pessoas desse povo foram trazidas para a América como escravos. No Brasil, esse povo foi chamado de nagô e introduziu o candomblé (uma religião afro-brasileira).

Os iorubas são tradicionalmente os mais hábeis artesãos da África, trabalhando como ferreiros e tecelões ou no artesanato de couro, vidro, marfim e madeira. As mulheres fiam o algodão, fazem cestaria e tingimento de tecidos. A maior parte do povo ioruba vive do cultivo da terra. As mulheres trabalham pouco nas lavouras, mas são elas que controlam o complexo sistema de vendas dos produtos.

O povo ioruba tem uma língua e uma cultura fortes há séculos, mas nunca formou uma só unidade política. Migrou do leste para o oeste do rio Níger, seu atual território, há mais de mil anos. As cidades tiveram papel importante na sua história, no período anterior à colonização da África pelos países europeus. Numerosos reinos de diversos tamanhos organizavam-se em torno de um único rei, o obá. As cidades eram muito povoadas. No século XVII, a cidade de Oyo deu origem ao maior dos reinos iorubas e Ile-Ife tornou-se uma cidade de forte significado religioso, pois, segundo a mitologia ioruba, foi o centro da criação do mundo.

Nas cidades iorubas, o palácio do obá fica no centro e ao seu redor estão as habitações de seus descendentes. O reinado é hereditário. Atualmente essas construções costumam ter estruturas modernas.

Entre os iorubas há muita diversidade política e social, mas também algumas características comuns: a herança e a sucessão seguem a linhagem paterna e os descendentes vivem juntos, partilham alguns nomes e tabus, louvam seus próprios deuses e também participam de diversas associações, como a aro, uma associação de ajuda aos trabalhadores da terra. A autoridade é representada pelo obá, que é também o líder religioso, e por um conselho de chefes.

Muitos iorubas hoje são cristãos ou muçulmanos, mas os aspectos da sua religião tradicional — um criador supremo e quatrocentos deuses (orixás) — ainda sobrevivem. Há muitos livros escritos em ioruba e essa língua é uma das três mais faladas na Nigéria.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.