Manacá é o nome dado a diversos arbustos brasileiros da família das solanáceas, nativos desde o estado do Pará até o de São Paulo, mas cultivados em todo o país como plantas ornamentais.

O arbusto mede de 2 a 3 metros de altura e é cheio de ramos, com folhas ovais, lisas e verde-escuras. As flores nascem cada uma na ponta de um ramo e, com o passar do tempo, mudam de cor. Assim, podem ser vistas ao mesmo tempo flores azul-arroxeadas, lilases e brancas. A mistura das cores das flores novas com as das mais antigas e o verde-escuro das folhas deixa a planta multicolorida.

O manacá é conhecido por diversos nomes: manacá-de-cheiro, jeratataca, caagambá e romeu-e-julieta, entre vários outros.

Plantio

O manacá deve ser plantado em locais que recebam a luz do sol diretamente e, nos jardins. Não deve ficar junto às janelas, porque suas flores são muito perfumadas e podem provocar desconforto e alergia em quem estiver dentro de casa.

O manacá-da-serra

Diferente do manacá, o manacá-da-serra é uma árvore da família das melastomatáceas, típica da mata Atlântica e nativa das serras que vão do estado do Rio de Janeiro ao de Santa Catarina.

A árvore mede de 7 a 12 metros de altura, seu tronco tem entre 20 e 30 centímetros de diâmetro e as folhas chegam a 10 centímetros de comprimento por 4 de largura.

As flores dessa árvore também mudam de cor quando ficam mais velhas, como acontece com o manacá que é arbusto. Assim, quem viaja para o litoral brasileiro acompanhando a serra do Mar pode ver no meio da mata as copas floridas de roxo, rosa e branco do manacá-da-serra.

Sua madeira é de qualidade inferior, mas suficientemente boa para ser usada em vigas, postes e madeiramento interno de construções. É uma planta muito útil para o reflorestamento feito com o plantio de árvores de diversos tipos em áreas abertas, pois não demora para crescer e dá proteção ao solo.

O manacá-da-serra também é conhecido como jacatirão, flor-de-quaresma, pau-de-flor e jacatirão-de-joinvile.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.