O maracujá é uma fruta aromática, às vezes doce, às vezes ácida. Mede em torno de 5 centímetros, tem a casca em geral amarelo-clara e, à medida que amadurece, vai escurecendo e enrugando. A parte comestível inclui as sementes, que são pequenas, e a polpa fluida.

O maracujá nasce do maracujazeiro, que é uma das cerca de quatrocentas espécies de herbáceas trepadeiras do gênero Passiflora (família das passifloráceas). Algumas espécies são importantes como plantas ornamentais, por suas flores, e outras são cultivadas por seus frutos comestíveis.

Como é uma trepadeira, o maracujazeiro tem galhos finos e maleáveis que crescem cerca de 3 a 9 metros. Suas flores são cor-de-rosa e brancas, com cerca de 4 a 7,5 centímetros de diâmetro. Em geral, têm um invólucro verde.

A flor do maracujazeiro varia entre a forma de um pires e a de um tubo, como um trompete. Na parte de cima tem cinco sépalas (folhas bem pequenas que protegem o botão da flor), cinco pétalas e muitos fios ou membranas que partem desse tubo: essa é a parte mais bonita da flor, chamada de coroa.

Variedades

Alguns tipos de maracujá, bem perfumados, são servidos como sobremesa, como o maracujá-gigante (Passiflora quadrangularis). Ele se destaca porque é grande como uma cabaça e pode pesar entre 7 e 8 quilos. O maracujá-de-cobra, ou maracujá-azul (Passiflora caerulea), é natural do Brasil. O maracujá-azedo, ou maracujá-mirim (Passiflora edulis), tem a cor mais alaranjada e é considerado o melhor para sucos. Já o maracujá-doce, ou maracujá-suspiro (Passiflora laurifolia), tem o formato de um ovo. Dá no Brasil e na América Central.

A espécie Passiflora racemosa é uma trepadeira de flores muito vistosas e é cultivada para uso ornamental. É originária do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, mas está espalhada no Brasil inteiro.

Usos

Das flores e das raízes do maracujazeiro é extraída a passiflorina, utilizada na farmacopeia como princípio básico para remédios calmantes.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.