A memória é o processo de armazenar experiências e informações no cérebro e recordá-las mais tarde. As pessoas usam a memória o tempo todo. Para falar ou escrever é preciso lembrar as palavras e as ideias. Para andar ou comer é preciso relembrar os movimentos aprendidos quando éramos crianças.

Os cientistas sabem que as memórias causam mudanças químicas nos neurônios, que são células do cérebro. As mudanças químicas criam o que chamamos de caminhos da memória. Esses caminhos podem permanecer no cérebro por apenas alguns segundos ou por toda a vida da pessoa.

Níveis de memória

Muitos cientistas acreditam que haja dois níveis de memória. Um é a memória de curto prazo, ou memória de trabalho. O outro é a memória de longo prazo, ou memória permanente.

A memória de curto prazo é um meio de armazenar informações de forma temporária. Ela dura de 15 a 30 segundos. Por exemplo, quando mantemos um número de telefone na mente só enquanto o discamos. Nesse caso, não nos esforçamos para guardá-lo na memória porque acreditamos que não será necessário usá-lo outra vez.

A memória de longo prazo é o armazenamento de informações por longos períodos. Se uma pessoa disca um número de telefone muitas vezes, essa informação é movida da memória de curto prazo para a memória de longo prazo.

Tipos de memória

Os cientistas também acreditam que haja diferentes tipos de memória. Entre eles estão a memória hábil, a factual e a emocional.

A memória hábil, que pode ser de curto ou de longo prazo, diz às pessoas como executar tarefas físicas que elas já fizeram antes. As pessoas usam a memória hábil para repetir um passo de dança ou para andar de bicicleta, por exemplo.

A memória factual é a armazenagem de fatos e também pode ser de curto ou de longo prazo. Esse tipo de memória permite que as pessoas se recordem de rostos, nomes e experiências que tiveram.

A memória emocional, como o nome indica, é a memória das emoções. Ela é de longo prazo. As pessoas, por exemplo, tendem a se recordar para o resto da vida de experiências muito assustadoras. Alguns cientistas acreditam que isso acontece para que elas possam estar preparadas para enfrentar problemas no futuro.

Como acessar a memória

As pessoas podem acessar as informações armazenadas na memória por recordação ou por reconhecimento. Recordar significa lembrar alguma coisa que já foi aprendida. Reconhecer é a habilidade de identificar algo que já foi visto ou experimentado. Reconhecer é mais fácil do que recordar, pois ao ver uma pessoa podemos até reconhecê-la, mas não recordar seu nome.

Padrões também são mais fáceis de ser lembrados do que informações aleatórias. Por exemplo, é mais fácil lembrar um poema com rima do que outro sem rima.

Esquecimento

Não conseguir lembrar alguma coisa é chamado de esquecimento. As razões mais comuns para o esquecimento são a passagem do tempo e a falta de uso de uma habilidade ou informação. As pessoas tendem a esquecer aquilo que não praticam ou não reveem. Porém, doenças ou lesões no cérebro também podem causar esquecimento.

Em geral, as pessoas não gostam de esquecer, mas o esquecimento tem propósitos importantes. Ao esquecer informações de que não precisa mais, o cérebro tem a possibilidade de aprender coisas novas. O esquecimento também ajuda as pessoas a se recuperar de experiências dolorosas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.