A morte marca o fim da vida. Quando um ser vivo morre, seu corpo para de funcionar. Todos os seres vivos — ou seja, as plantas e os animais — passam pelo processo da morte.

Como ocorre a morte

No caso dos seres humanos, a morte pode acontecer de diversas maneiras. A maioria das pessoas morre de doenças ligadas ao envelhecimento. Câncer, doenças do coração e outras enfermidades podem levar à morte. Algumas pessoas morrem em acidentes, em consequência de violência ou de desastres naturais. Em algumas partes do mundo, pessoas morrem em decorrência de guerras, fome ou subnutrição.

Uma pessoa morre quando os órgãos mais importantes do corpo — o coração, os pulmões ou o cérebro — deixam de funcionar. Quando esses órgãos falham, outros também param. As células individuais podem sobreviver por mais tempo, mas acabam morrendo também.

No passado, as pessoas eram consideradas mortas quando deixavam de respirar e seu coração parava de bater. Hoje, porém, existem técnicas e equipamentos médicos especiais que podem fazer o coração e os pulmões voltarem a funcionar. Muitas pessoas hoje consideram que é a morte cerebral que assinala o fim da vida humana. A morte cerebral ocorre quando o cérebro já não dá sinais de qualquer atividade, mesmo que aparelhos médicos mantenham o coração e os pulmões funcionando.

Como lidar com a morte

Cada sociedade tem maneiras e rituais próprios para lidar com a morte. A maioria desses rituais inclui o sepultamento ou a cremação (queima) do corpo. Além disso, as pessoas frequentemente se reúnem em funerais ou outras cerimônias para homenagear aquele que faleceu.

Muitas pessoas acreditam que, após a morte do corpo, a mente ou a alma de quem morreu continua a viver. Outras pensam que a morte do corpo assinala o fim e que não há mais nada além desta vida. O que acontece após a morte desperta, e sempre despertou, muito interesse nas pessoas, mas esse é um mistério que permanece e ninguém sabe ao certo a respeito disso.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.