Um museu é um edifício que contém uma coleção de objetos encontrados na natureza ou artefatos criados pelo ser humano. Muitos museus focam um único tema, por exemplo: arte, ciência ou história. São lugares de observação, estudo e aprendizado.

Como funcionam os museus

A maioria dos museus é aberta ao público. As pessoas visitam os museus para olhar seus acervos (coleções de objetos), que lhes ensinam sobre o mundo natural ou a cultura humana. Os museus também podem promover visitas acompanhadas por guias, palestras e eventos especiais. Cientistas e outros estudiosos às vezes usam museus para fazer pesquisas.

Para aumentar seus acervos, os museus compram peças especiais e recebem doações. Eles expõem alguns objetos permanentemente e outros por períodos limitados. Essas exposições podem incluir peças cedidas temporariamente por outros museus ou por colecionadores particulares. Muitos museus possuem objetos que nunca chegam a ser expostos ao público e que só podem ser vistos por pesquisadores.

Tipos de museu

Os museus de arte possuem acervos de pinturas, esculturas e outras obras de arte importantes. Os acervos de alguns museus de arte cobrem muitos estilos e períodos históricos diferentes. Outros se especializam em obras de arte de um período específico ou de um único estilo artístico, como a arte moderna, por exemplo. Há, também, os dedicados a apenas um artista.

Os museus de ciências usam seus acervos para explicar áreas diferentes da ciência e da tecnologia. Suas coleções frequentemente incluem máquinas e ferramentas do passado e do presente. Eles podem ensinar aos visitantes muitas coisas sobre as viagens espaciais, os avanços da medicina e da eletrônica ou outros assuntos científicos.

Os museus de história colecionam objetos, chamados artefatos, que mostram como era a vida humana no passado. Os artefatos podem incluir roupas, ferramentas, objetos domésticos, veículos, fotografias antigas e muitos outros tipos de objeto. Os museus de história natural expõem amostras de plantas, animais, rochas e outros objetos naturais.

Alguns museus possuem acervos bastante específicos ou especiais. Um exemplo é o Museu do Futebol, na cidade de São Paulo, no Brasil. Outro é o Hall da Fama e Museu do Rock and Roll, em Cleveland, no estado de Ohio, nos Estados Unidos.

História

As pessoas vêm colecionando objetos desde a Antiguidade. Por exemplo, grupos religiosos em todo o mundo acumulam e conservam artefatos e obras de arte religiosa.

No século III a.C., um rei fundou um museu com uma biblioteca em Alexandria, no Egito. Mas esse lugar era mais semelhante a uma universidade que a um museu moderno.

Muitos museus modernos começaram como coleções pertencentes a algumas pessoas ricas. Durante o Renascimento (séculos XIV-XVI), alguns europeus formaram grandes coleções de arte e objetos históricos. No século XVII, os donos de algumas coleções particulares venderam seus objetos a cidades, universidades e outras instituições públicas.

Dois dos museus mais famosos do mundo na atualidade começaram como coleções particulares. O Museu Britânico, em Londres, no Reino Unido, foi aberto ao público em 1759 e contém muitos tesouros arqueológicos. O Museu do Louvre, em Paris, na França, foi aberto ao público em 1793 e tem inúmeras obras de arte famosas. No final do século XIX, muitos países em todo o mundo já tinham construído museus.

Vários tipos novos de museus surgiram no século XX, alguns deles com coleções de casas e construções que recriaram cidades ou bairros inteiros. A Williamsburg Colonial, na Virgínia, nos Estados Unidos, é um exemplo disso e mostra como era a vida nas colônias inglesas, muito tempo atrás. Na cidade de São Paulo, no Brasil, há o Museu da Língua Portuguesa, que monta exposições, por exemplo, sobre escritores e sobre as formas faladas do idioma, com suas diferentes características regionais; ele é uma das mais originais e bem-realizadas dessas instituições, com bastantes recursos de interatividade com os visitantes. Muitas cidades também criaram museus voltados especialmente às crianças.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.