Muito antes de os oceanos Atlântico e Pacífico serem explorados, o Índico já era uma região desenvolvida em termos de viagens marítimas e comércio. Há mais de 2 mil anos, negociantes viajavam nesse oceano para trocar produtos entre a Índia, a África e a Arábia.

Características

O oceano Índico é cercado por quatro continentes: a Ásia ao norte, a Antártica ao sul, a África a oeste e a Oceania a leste. Terceiro maior oceano da Terra, sua área total é de cerca de 73.440.000 km2.

O ponto mais profundo do Índico fica 7.450 metros abaixo da superfície. As numerosas montanhas submersas no fundo do oceano são vulcões extintos que atingem alturas de no mínimo 1.000 metros.

A maior ilha do oceano Índico é Madagascar, na costa leste do sul da África. Houve um tempo em que Madagascar e algumas outras ilhas do Índico eram ligadas a um continente. Vulcões formaram outras ilhas, como Sumatra (parte da Indonésia) e Reunião. Certas ilhas do Índico, como as das Maldivas, são atóis de corais, ou seja, faixas de recifes de coral que se formaram em torno do topo de vulcões subaquáticos.

Clima

Grande parte do oceano Índico fica em zonas tropicais e temperadas cujas temperaturas variam de quentes a amenas. O clima da região também é afetado por ventos chamados monções, que mudam de direção conforme a estação. De outubro até abril, a monção de inverno vem do nordeste, levando chuva para a Indonésia e a Austrália. De maio a setembro, a monção de verão vem do sudoeste, levando chuva ao sul da Ásia.

Ciclones com força destrutiva se formam com frequência sobre o oceano Índico e geralmente seguem para a terra no sentido oeste.

Economia

Devido à localização, o oceano Índico tem papel relevante como rota comercial marítima há milhares de anos. Os ventos fortes das monções viabilizaram antigas rotas de comércio. A monção nordeste carregava negociantes da Índia e da China para a Arábia e a África, enquanto a monção sudoeste os impulsionava na direção oposta. Os indianos e os chineses trocavam especiarias, seda e pedras preciosas por café, marfim, sal e ouro dos árabes e africanos.

O comércio nos corredores navegáveis do oceano continua até hoje, principalmente envolvendo petróleo e seus derivados. O Índico contém valiosas reservas de petróleo, platina, manganês, vanádio e cromo. Além disso, fornece camarão, peixes e outros frutos do mar para muitos países.

Exploração

Navegantes da Índia, do Egito e da Fenícia (no Oriente Médio) foram os primeiros a explorar o oceano Índico, entre 3000 a.C. e 1000 a.C. Os europeus começaram a explorar o Índico somente no século XV. O navegante português Vasco da Gama foi o primeiro a cruzar o oceano da África para a Índia, em 1496. O explorador holandês Abel Tasman chegou à atual ilha australiana da Tasmânia na década de 1640. O capitão britânico James Cook explorou as águas do sul do Índico em 1772. No século XIX, os russos também passaram a explorar a área.

Problemas ambientais

Refugos de fábricas e cidades ao longo das costas poluem as águas do oceano Índico. Outro problema é a quantidade de petróleo transportada por navios no oceano. O petróleo que vaza ameaça os peixes e outros animais marinhos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.